HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quinta-feira, 16 de junho de 2016

PEQUENO PAPO DE BOTEQUIM: QUANDO O RISCO É CALCULADO


Quando se viaja, principalmene para o interior do Brasil, as dificuldades aumentam em relação a tempo e utilização do serviço de internet. As noticias atrasam e o notivagos chiam com razão. A eles explico.

Muita gente acredita que da discução nasce a razão. Eu adoraria que fosse, pois, vejo muitas discuções terminarem mesmo em pancadaria. Dizem que a violência não resolve, mas é por intermédio dela que vi muitas coisas serem resolvidas.

Não vou brigar sobre conceitos. O que para mim pode parecer extremamente válido, para outros não é, e nada mais abstrato do que se intitular um cavalo de craque. Em diversas oportunidades teci meu pensamento: craque é aquele que vende caro a derrota e quando ganha, prova que a queria mais do que ninguém.


Penso que para se considerar alguém como um bom cavalo de corridas, na maioria das vezes temos que adotar uma norma: que ele ganhe mais da metade de suas carreiras. Ai, você terá a plena certeza que tem um cavalo que foi melhor que os outros, na grande maioria das vezes. Mas houve o caso de cavalos que ganharam menos da metade de suas corridas e foram igualmente considerados bons corredores. Portanto, cada caso é um caso. Cabe a cada um resolver sua questão.

Entramos em uma fase de projetos para o ano que vem. Cartas de monta e exportações. Um passarinho me contou que o lider e indubitavel champion 2yo English Major talvez não venha mais correr no Brasil. Pena para o publico turfista, bom para o turfe brasileiro. Parece que ele vai aproveitar a carona, com um dos potros adquiridos pela Black Opal, nas recentes vendas do Santa Maria de Araras e vai cruzar o oceano a procura da glória.

Quanto ao potro inédito ele exercerá aquele projeto que a Black Opal batizou de Einstein, que inédito foi para os Estados Unidos e lá consagrou-se e por lá ficou. Eu acho que tem que ser ir cedo. Quanto mais cedo melhor. Mas você para ter outro Einstein, tem que saber exatamente o que está selecionando. Você ganha aqueles seis meses que se perde de aclimatação e praticamente elimina o problema de adaptação, pois a doma e os primeiros galopes fazem dele, um elemento norte-americano.

Ir para lá com o limão já parcialmente espremido não me parece a melhor idéia. E muitos chegam lá, com a limonada já servida no Brasil. Leroidesanimaux foi com apenas duas carreiras e a meu ver teve melhor participação que Bal a Bali, que saiu daqui quaduplo coroado. Uns vão dizer, mas ele teve aguamento. Certamente que sim. Mas não seria este aguamento uma consequência do limão já ter sido expremido? Quem adquiriu a ele, tem o direito de pensar que sim.

Eu sou neto de vó Adelina, que sempre dizia: missa se espera na igreja. E English Major, já provou seu ponto no Brasil, acho eu. Tem que partir para novos desafios, que Andre Zhan e Eduardo Schuch parecem não ter medo. Maior desafio, é pagar cinco digitos de prestação em um inédito. Ai então, acreditar que o mesmo não seja artigo de exportação seria uma insanidade comercial.

É um risco? Sim, mas calculado. O conhecimento e a experiência de uma equipe, aquilatam as possibilidades. Você entra em um haras e descobre que aqui pode ser artigo para André Fabre ou Chad Brown, e usa de seu conhecimento e de sua experiência para fazer o projeto virar realidade.

O turfe brasileiro necessita de desafios. Precisa de sangue novo, que não precise acender o fósforo para saber se ele está funcionando. E as estes que assim o fazem, como a turma da Black Opal quer fazer, mas principalmente sabendo o que estão fazendo, tiro o meu chapéu.