HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

domingo, 17 de julho de 2016

PONTO CEGO: A OBRIGATORIEDADE DA LISURA DAS CARREIRAS

DE SEXTA PARA SÁBADO, 
MUITA GENTE APROVEITA 
PARA RELAXAR OU DIVERTIR-SE 
EU ASSISTO CORRIDAS
SEJAM ELA NA AUSTRALIA NO JAPÃO
OU NA EUROPA PELA MANHÃ.


Logo, assisto a um número de corridas que pode parecer absurdo na visão de alguns, e embora não vou convencer a ninguém que a cada carreira aprendo algo, diria, que estas carreiras moldam para mim, um perfil de um reprodutor, de uma tribo e até de uma família. Fazem-me respeitar profissionais e conhecer - sem querer comparar - daonde está vindo o perigo. Pois, não é preciso apenas ver as carreiras. Há de se analisa-las, E tendo sempre a preocupação de saber as diferenças entre Caulfield, Greyville, Newbury, Tokyo, Newmarket e The Curragh. Evidente que é uma coisa que não se aprende em uma semana, nem em um ano. Mas algum dia, você tem que começar. Cristina é quem menos gosta...

Existem coisas que não aceito em corridas de cavalos: medicação. Vivemos um turfe turbinado. Esta história de quem foi pego, deu é para boi dormir. Todos dão, mas só alguns são pegos. Sei que estou generalizando e a coisa pode até não ser assim, mas de repente a gente ve certos treinadores aparecerem do nada e durante um período dominarem, para esvair-se depois e isto me deixa com a pulga atrás da orelha.

A verdade nua e crua, é que a grande maioria no mundo dá, mas sabem exatamente o momento de parar. Outrossim, diria sem medo de estar errado, que há muito tempo não vejo uma desclassificação por dopping em um Arco, em um King George, em uma Breeders Cuo. E só no dia de nossa festa mágica, parece que três, e justamente nas duas, das seis corridas mais importantes de nosso calendario, o GP. Brasil e o Presidente da Republica. E olha que tivemos desclassificação no GP. Latino Americano também. Se bem com um cavalo trazido de fora de nossa fronteiras.

Nas pencas parece que a medicação é facultativa até um certo período do dia da carreira, Não gosto, mas pelo menos equaliza todos os contendores. No turfe de hipódromo a coisa deveria ser rigorosamente controlada, pois, mesmo que um cavalo seja desclassificado por dopping, o jogador do segundo colocado é prejudicado, pois, o dinheiro investido na aposta, nunca voltará a seus bolsos, E o turfe vive do jogador e de sua crensa que entra no barco, com a mesma chance de qualquer um outro,

No turfe de primeiro mundo, o infrator muitas vezes é simplesmente banido da atividade. Mas como os treinadores participam de bons prêmios, não há necessidade de se procurar outros meios de ganhar o seu dinheiro de forma rápida. Quem tiver paciência e valor, certamente será recompensado. Vejam o caso de Chad Brown. Ou do próprio Todd Pletcher. Até pouco tempo atrás, uma década não mais, em Saratoga tomava cafe da manhã como ambos, sendo eles apenas assistent trainers de Frankel e Lukas, os reis do pedaço. Hoje eles almejam a ser os reis do pedaço. Mas não é por meio de suspenções e medicações que se chega lá.

Confesso que tento turbinar os cavalos a quem tenho ligações profissionais. Os turbino genéticamente, duplicando seus pontos de força, usando linhas baixas que estão quentes no momento e tentando de alguma forma descobrir na anãlise do físico, algo que o diferencie dos demais. O cavalo que tem compra, 

Agora uma coisa é certa, se medicação faz alguém correr mais, eu penso que se aplicar em meu tapete, e quem sabe não vou ter um tapete voador. Não se enganem, a medicação aumenta o potencial de um cavalo, mas não muda a sua performance 180%. Quando se tratam de cavalos de mesmo padrão, a medicação pode fazar a diferença. agora para o matungo bater o craque, vai uma grande diferença.

Mas e os Galileos? Seriam eles todos turbinados? Penso que não. Seventh Heaven levou o Oaks da Irlanda para Ballydoyle. Foi o 18th individual vencedor de grupo produzido por este derby winner. Ele é uma força da natureza, como o imbreed em Grand Spledour em sua mãe, também o é. Igual defesa pode ser feita em relação a Galileo, parecer adorar as descendentes de Danehill. este cruzamento, pela qual faço a defesa em uma de minhas notas, ainda no blod de hoje, vai se igualar, se já não o fez, ao cruzamento Nasrullah x Princequillo.

Assim, se sua opção é medicar aquilo que tem em seu barn, eu diria que seria mais efetivo se selecionar algo que ganhe sem a ajuda das turbinas artificiais. Um Galileo em égua da linha Danehill, por exemplo. Mas se a mãe for da linha Storm Cat, por via das dúvidas, a pegue também...