HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

PAPO DE BOTEQUIM: O TURFE BRASILEIRO NÃO VAI ACABAR


Nunca fui um sujeito super dotado. Basta lembrar, que levei tempo para me convencer que a terra era redonda e até hoje, não consigo entender a tal da lei da relatividade. Mas mesmo assim esforcei-me, pois, acredito que com um pouco de intuíção e muita observação se chega ao conhecimento. Mas isto eu já expliquei em outra oportunidade.

Não tenho medo de confesar que meu primeiro herói foi o Rin-Tin-Tin e eu ainda de calças curtas não perdi nenhum de seus capitulos na televisão contrascenando com o cabo Hurst e o tenente Rip Master. O que determina que a debilidade mental também rondou-me. Como não abracei com a mesma sofreguidão a Lassie, safei-me.

Nada entendo de esportes olimpicos, mas tenho conhecimento que em 2007, foram criadas três tipos de bolsa de ajuda a formação de atletas e descobrimento de talentos. Penso que se nadadora norte-americana Ledeck tinha 10 anos na época e assim deveria haver outros nadadores brasileiros na mesma idade. Só que Ledeck ganhou um punhado de medalhas e bateu vários recordes, e nós não ganhamos uma medalha sequer na natação. O que prova minhas teses, que não adianta criar bolsas, se não houver um bom aproveitamento das mesmas e que nada criado por Lula, Dilma e PT consegue bom aproveitamento. Geralmente se torna fonte de compra de votos, corrupção e roubo.

Fui cobrado por um cliente, que pensa estar muito dificil de se vender o bom cavalo médio, no atual mercado brasileiro. Ele está errado. Não é muito dificil, é praticamente impossível. Chegamos a um ponto, que no turfe brasileiro, os inéditos valem mais dos que os testados não pertencentes a esfera clássica. Trata-se de uma anomalia, em termos mundiais, mas real aqui no Brasil.

Tenho a nitida impressão, é já não é de hoje, qua a única chance de você ter algum retorno financeiro, é com o cavalo clássico. mas ele tem que ser novo e demonstrando estar em evolução. Trabalhei com Stephan Friborg e em nossa primeira troca de idéias após minha contratação, ficou bastante claro, que íamos tentar os cavalos que pudessem nos levar as provas maiores do Brasil e do mundo. Diria que ele sucedeu. Os que não funcionavam eram vendidos, os que tinham potencial, Dubai. E um dia ele ganhou a Dubai Cup com um cavalo brasileiro de pedigree médio. O mesmo fez em sua passagem pela Europa. E lá ganhou o One Thousand Guineas. 

Não me lembro de qualquer proprietário sediado no Brasil +, desde a instituíção da Dubai Cup, que tenha vencido a estas duas provas, e em tão exiguo tempo. Por incrivel que pareça, os cavalos lhe trouxeram lucros financeiros, um prêmio a ele que sempre pensou grande. E agiu com grandiosidade. Quando deixei a equipe ele estava no azul.

Teremos outros proprietarios prontos a experimentar este mesmo desafio? Espero que sim.  No turfe brasileiro, você tem que pensar grandeou então tentar outra atividade. Golfe, por exemplo... Vivemos o sistema, da bola ou bulica. Quando atingimos os objetivos propostos, as chances de sucesso, crescem. Se esperarmos pela ação da sorte, com sorte pode-se demorar muito ou então sequer aparecer. E não culpem o azar... Ele nada terá com isto, foi você que cavou seu próprio buraco.

Uma coisa é certa. Criar no Brasil para vender, é uma atividade em extinção. Se você decide criar, a melhor saída, é criar aquilo que dificilmente poderia comprar dos outros e correr. Quem pensar assim, chegará mais rápido a seus objetivos.

Não tenho medo dos desafios e muito menos que o número de grandes proprietarios está desaparecendo no turfe brasileiro. Uns vão, outros vem. Teoricamente fica mais fácil ganhar, aos que permanecerem. É ruim, mas em nada muda a dificuldade de se achar um bom cavalo de corrida. Sem ela, não há vitória. E lembrem que ele pode ser reservado, feio ou ser vendido quando você não estiver presente. 

Como disse anteriormente, nunca fui um bem dotado, outrossim, tenho uma boa noticia: o turfe brasileiro não irá acabar. Se arrasta, mas sobrevivera para todo o sempre!