HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

PEQUENO PAPO DE BOTEQUIM: A SENSAÇÃO DE VITORIA, MESMO NA DERROTA


Na ante vespera da abertura dos jogos olimpicos algo veio a minha mente. Qual foi o meu momento olimpico?

Vários foram os momentos olimpicos que foram gurdados em minha memória, porém um acontecido em Atenas, com o maratonista brasileiro Vanderlei, está acima de qualquer outro. Mais até do que o massacre de Munich. E este acontecido, não tem lugar especial pela inusitada situação criada por um irlandês idiota,  fantasiado de idiota, que não tendo a minima capacidade de ser nada, se mostrou ao mundo, da forma mais mesquinha, atacando quem liderava aquela maratona, por azar Vanderlei.

Eu acompanhei a carreira, pois, se existe uma coisa que me fascina é a maratona. Um esforço sobre humano, cuja história é baseada em um ato veridico em 480 antes de Cristo, sobre um grego chamado Phillipes que correu mais de 42 quilômetros, para avisar o resultado da batalha de Marathon.

O favorito, um italiano era o segundo colocado, e era esperado que ele viesse a atacar Vanderlei, no quilômetro 41. Estavamos por volta do quilometro 38, quando se deu o ataque, e o italiano - que acabou ganhando a carreira, conseguiu passar por Vanderlei - que visivelmente havia perdido seu ritmo - antes de completos os primeiros 40 quilômetros.

Abro um parenteses. Não foi por ser Vanderlei um brasileiro, que aquele momento ficou gravado em minha mente. Afinal, não sou nacionalista. Aliás desprezo o nacionalismo em si, pois como diria Einstein, o nacionalismo é uma doença infantil, o sarampo da humanidade. Fecho parênteses.

Como disse anteriormente, não foi o ataque que sedimentou este momento olimpico em minha mente e sim a alegria e a resignação de um corredor que minutos atrás fora prejudicado, que comemorava sua terceira colocação como se fosse uma vitória. Foi uma lição de vida e de esportividade. E foi algo por que eu havia passado, pouco mais de um mes antes. E isto me calou fundo.

Nunca fui um atleta destacado em nenhum esportes que tentei. praticar. E olha que tentei vários. E confesso que me transporto para os cavalos que seleciono, como aqueles atletas destacados que eu nunca consegui ser. E quando Hard Buck, cruzou a linha de chegada em Ascot, no King George VI, mesmo sendo apenas segundo, tive exatamente a mesma reação que Vanderlei mostraria em Atenas. A alegria de ter participado, de estar em Ascot em seu último ano antes da reforma. Tudo isto apagou totalmente os efeitos de não ter ganho. Eu estava feliz que nem uma criança. Tão deslumbrado como Vanderlei se mostraria pouco mais de um mês depois.

A derrota de Beholder este fim de semana, abalou parte do mercado. Ela era considerada invencivel, e mesmo vendendo muita cara sua derrota, ela simplemente perdeu. E perder nunca é reconfortante, mas Stellar Wind é uma craque, o que reconforta. As duas fizeram uma carreira a parte. A terceira colocada chegou a 10 corpos e a quarta a 12. Outra carreira.

Beholder não foi atrapalhada como o Vanderlei foi. Ela só não conseguiu, em momento algum, se desvencilhar de sua adversária. Quando Stellar Wind assumiu a ponta no inicio da reta final, nota-se que Beholver voltou e tomou para si as rédeas da carreira. Eu vibrei, mas por pocou tempo. Stellar Wind, é a que mais corria no final. Venceu por ½ corpo, e o teria feito por mais, se mais distância houvesse. Sua grande adversária estava batida.

Perder ou ganhar faz parte da atividade, pois, como vó Adelina dizia, só se molha quem sai na chuva. Vibro com a disposição dos reponsáveis por Beholder em te-la ainda em campanha. De há muito e´guas deste quilate, dificilmente chegam a idade da mesma correndo. Foi o que os responsáveis de Zenyatta fizeram. Outro dia me perguntaram, qual das duas preferia. Eu respondi que as duas. Imaginem Zenyatta aparecendo com aquele seu impeto habitual nos metros derradeiros, com Beholder aguentando o tranco na frente. Seria um embate, para juntar muldições. Como o seria se houvesse interesse dos responsáveis, de ambas as partes, num embate Zenyatta contra Rachel Alexandra.

Mas a era dos desafios acabou-se: Swaps contra Nashua. Dr. Fager contra Damascus. Seabiscuit contra War Admiral. Bons tempos...