HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

sábado, 6 de agosto de 2016

PONTO CEGO: CAPRI E SUAS CINCO MÃE TORDILHAS...

OLHA VEM DIA, PASSA DIA, 
E GALILEO NÃO CANSA DE ME SURPREENDER. 
EVIDENTEMENTE NO BOM SENTIDO.
DESTA VEZ FOI COM CAPRI.



O tordilho Capri estreou em The Curragh e não passou de uma segunda colocação. Vi a carreira e confesso que gostei, mas longe de empolgar-me. Ai no dia seguinte fiquei imobilizado pelas criticas irlandesas que o colocavam num patamar bem acima do que eu poderia supor. Vi a carreira de novo, embora sabedor que a Coolmore domina a imprensa local, e agora evidentemente que sugestionado, passei a achar que realmente ele parecia ser algo distinto. Eu o substimara a principio. Isto foi em um 1,400 metros lá pelo dia 15 do mes passado.

Duas semanas depois, ele foi trazido a Galway na milha, correu e ganhou. E eu comi mosca, não notei que estava escrito. E assim quando o vi em Tipperary em uma listed, tomei conhecimento que seu favoritismo tinha uma razão de ser. E ele ganhou com sobras.

Um universo se abre às suas patas e ele passa a cogitar as carreiras importantes entre os de sua idade. Penso que o National Stakes e o Beresford Stakes, será seu caminho natural. Se vinga, o Racing Post Trophy.

Meses atrás fiz uma nota onde alertei sobre a importância que as filhas de Anabaa estavam tendo, nos pedigrees de ganhadores de grupo, europeus. Pois bem a mãe de Capri, Dialafara é uma também tordilha, ganhadora e filha de Anabaa, que só veio a ser trazida as pistas em quatro oportunidades.

Ela por sua vez é filha da francesa Diamilina, igualmente de pelagem tordilha, que a seu tempo não só venceu o Prix nde Malleret (Gr.2) e o Prix de Nanonette (Gr.3), como também foi segunda para Aquarelliste no Prix Vermeille (Gr.1) de 2001. Filha dos tordilhos Linamix e Diamonka, esta que a seu tempo foi segunda no Prix Malleret (Gr.2) e Royaumont (Gr.2) ambas carreiras disputadas na milha e meia.

E o que sinto, é que suas cinco primeiras mães sendo tordilhas, dá para entender a tese do senhor Atualpa, que este fato cria uma força especial de transmissão, somente capaz de aparecer em cavalos desta pelagem. Capri é um tordilho e Galileo um castanho. Até ai morreu o neves! Galileo já provou ser uma força da natureza, porém dá para se sentir que a mãe de Capri exerce algo de especial neste cruzamento, que tão somente a cor da pelagem. Seria por ser uma filha de Anabaa? Afinal, o velocista Anabaa é avô materno de sete diferentes ganhadores de grupo, que totalizam oito vitórias, só nesta temporada. Seria o fato de suas quatro mães serem como ela, tordilhas?

Como se pode notar, até os fenômenos da natureza estão sujeitos a interações, quando houver uma base genética bem estruturada que se contraponha a ele.

Atenção em Capri, pois, nesta fumaça pode haver muito fogo.