HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

PEQUENO PAPO DE BOTEQUIM: TRAGAM DE VOLTA O BACCELO

Baccelo recentemente deu aos brasileiros um alento. Ganhou nos Estados Unidos uma prova de grupo 3. Prova esta que já foi importante e de graduação 1. Não é mais. Paciência. Mas quem, por ventura, achar que seja fácil se ganhar uma prova graduada nos Estados Unidos, que venha aqui tentar.

Mas são escassos nossos sucessos atuais. Acabou-se aquela gloriosa fase de Sipon, Sandpit, Romarin, Pico Central, Riboletta e outros ganhadores aqui nos Estados Unidos de provas de graduação máxima. Será que a fonte secou?

Como se explica que o Brasil, que registrava decadas atrás tantos feitos nos niveis mais elevados de competição, e que parecia destinado em poucas gerações, competir no mesmo nível que o cavalo norte-americano e europeu em matéria de aptidões e modernidade, esteja retrocedendo a olhos vistos, até se alinhar em empobrecimento e inoperância, só conseguindo sucessos, em hipódromos de menor escalão como Monmouth Park. Houve época que Golden Gate era o paraíso para o cavalo brasileiro. Estaríamos entrando na era Monmouth Park?

Volto a repetir uma frase já escrtia, não se trata de uma pergunta retórica, mas sim de uma perplexidade justificável, de quem acompanhou e sem modestia, fez alguma parte nestas façanhas. Diante do que parece um desperdicio irresponsável, estamos caindo de conceito, no âmbito internacional.

A era PT no Brasil não me pareceu grata. Possui muitos traços inconfundíveis, mais o maior deles é o fator irreal, de estar fora deste mundo concreto que ânseia e luta por vitórias, em seu mercado cativo. E nós brasileiros e turfistas, nascemos, vivemos, nos reproduzimos e morremos vivendo desde 2003, uma milagrosa miragem, que nos afundou tanto no futebol como no turfe. As vertigens petedianas...

A visivel preferência pelo irreral imposta pelos petistas é um marco indelevel de sordidez e mesquinharia do mundo real, da vida possível. Endividar irresponsavelmente uma população, para os tecnocratas era uma questão de apenas de dar-lhe crédito fácil, sem lhes melhorar realmente o nível de suas vidas. Era dinheiro que se revertia em televisões, geladeiras e carros. E não em saúde, segurança e educação. A marola se transformou em um vagalhão e a fonte do crédito cessou ao mesmo tempo que a cobrança chegou.

O turfe ainda visto nas novelas, como um antro de perdição de dinheiro é produto desta utopia quase freudiana do populismo e que hoje acarreta trágicas consequências em todos os níveis. Apostar no ilusionismo e nas peças fantamagóricas como Dilma Rouseff e companhia em oposição frontal ao pragmatismo da vida real, foi o grande erro desta gestão fraudulenta e despótica.

Tenho receio que nosso turfe enverede nestes mesmos passos. O da cegueira geral. Uma vitória, por menor que ela seja, e tudo já está bem. Em seus devidos lugares. Desculpem, mas não é assim. Baccelo é produto de um égua, incapaz de gerar uma coisa que não corra muito. Ela seria aquela famosa famigerada, levada como exceção a regra e que aparecem em nosso universo turfístico, apenas de vez em quando. Diria mais de vez, do que de quando...

Eu o traria de volta, tão logo termisasse sua campanha. Ele pode ser um outro Redattore. Ele é um Northern Afleet, que no Brasil funcionou e que gerou um filho nos Estados Unidos, que mesmo não pretigiado, tem demonstrado ser capaz de gerar cavalos bem acima da média: Afleet Alex. Seu avô materno é nosso melhor reprodutor no momento, Wild Event e sua estrutura genética é complementada pelo maior cavalo norte-americano que a América do Sul já viu, Southern Halo e dois outros de sucesso no haras La Quebrada, Logical e Solazo. E complementando esta seqência, Claro e Timor. isto é, o que de melhor aportou na Argentina, quando a Argentina dominava o cenário sul-americano nos cavalos de corrida.

Um parênteses. Tenho certeza que os argentinos se acham melhores do que são no futebol, mas creio também que são uma nação privilegiada que aprendi a amar desde os anos 70. Nesta década, em Buenos Aires haviam mais teatros do que em Paris, e as livrarias, eram meu sonho de consumo. Densas mas sem perder seu toque de alta classe. E se isto só não bastassem, eles criaram a meia-luna com doce de leite... Mais de meia dúzia laureados como Prêmio Nobel, numa população pequena para seu território, mas livre do analfabetismo. Só erram pelo prepotêcia em achar o Maradona melhor que o Pele, e que ainda, nós brasileiros, estamos no estágio dos macacos. O que me importa é que criaram cavalos fabulosos. Fecho o parênteses 

Voltando aos trilhos, peço desculpas aos que assim não pensam, mas Quanto Carina é um fenômeno. Destes que custam a aparecer. Este ano produziu novamente o potro mais caro adquirido nas vendas do Santa Maria de Araras, que era uma pintura e vai defender as cores da Black Opal.  Ela produziu antes deste, que se chama Flight Time, cinco outros produtos, três ganhadores de grupo - sendo dois na esfera máxima - e uma dois anos já ganhadora. Desculpem-me aqueles que achem que eu possa estar exagerando em causa própria, mas Quanta Carina, é talvez uma das melhores reprodutoras existentes na recente história da criação brasileira. Trata-se de uma 16-h, com imbreeds em Northern Dancer, Nearctic, Hail to Reason e Mahmoud e duplicações nas importantes matriarcas, Almahmoud e Clovely. Uma salada de alto poder nutritivo e que funciona. Alguém poderá menosprezar este fato?

Não vivo de ilusões e elucubrações, como os delirantes amantes do PT. Nasci e tão logo consegui colocar meus pés no chão, dele não mais tirei. Exceções feitas a viagens de avião e de navio. Meço o que digo e penso no que faço. Quanto Carina é um fenômeno da natureza. Não podemos de nos dar ao luxo, de deixar esvair aquilo que ela até aqui produziu de melhor. Tragam de volta Baccelo! Antes que algum criador norte-americano descubra quem é Quanta Carina. E eles vão saber logo logo, com seu próximo produto...