HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

PAPO DE BOTEQUIM: NEW CAVALEIRO DA APOCALIPSE, MUITO MENOS APOSTOLO DA RESSURREIÇÃO

Não sou um cavaleiro do apocalipse e muito menos um apostolo da ressureição. Sou apenas uma pessoa que ainda penso como arquiteto que fui, e que por mera curiosidade, tem o hábito de ir fundo nas questões, para tentar entender como elas vieram a ser formadas. 

A formação em arquitetura me ensinou varias coisas. A primeira delas é olhar e ver. A segunda o senso estético, representado por equilibrio e proporções. E o terceiro não acreditar que qualquer obra, por menor que seja, possa independer de um projeto. Se assim o for você não estará erigindo algo grandioso e sim um puxadinho...

Simplesmente não acredito que atividade alguma prospera se ela não fizer parte de um criterioso planejamento. O criador de cavalos de corrida, tem que planejar, das aquisições as coberturas, do funcionamento de seu haras a comercilização de seu produto. da contratação do pessoal ao relacionamento com ele. Enfim, ele tem uma industria que tocar, que ainda tem o agravante de produzir vidas, não tão somente objetos.

Aqui me reportei ontem sobre uma possibilidade que tenho em minha cabeça de fazer de Bagé uma futura Lexington. E vou explicar o porque que devo penitenciar-me. No final dos anos 70 conheci Bagé. Escrevia para uma revista chamada Hippus, e preparei uma reportagem que a denominei Bagé, a Kentucky Brasileira. Evidentemente que cometi este exagero, pois, não conhecia Lexington. E a ignorância é a maior aliada da estupidez.  Dona Dilma que o diga,,, Anos depois, ao conhecer e morar por quase 20 anos em Lexington, tomei conhecimento da ousadia que adornou o titulo de minha matéria, décadas atrás. Nas era tarde.

Mas acredito piamente que Bagé poderia se tornar uma mini Lexington, se os criadores locais se unissem as autoridades e lutassem por ideal comum de transformação. Ontem levantei os tópicos principais. E deu para se notar quão duro esta jornada terá de ser. Mas na vida nada é fácil. Só o pudim de leite condensado é mole e causa prazer. Portanto, creio já ser hora de lutar por um turfe que a cada dia diminui mais, e que não apresenta muitos pequenos pontos de renovação aparente. Cada dia é menos um dia.

Falam na volta do jogo, e das maquininhas nos hipódromos. Acho que isto salvou os hipódromos pequenos nos Estados Unidos, e certamente auxiliaria em muito nossa atividade. Porém, este jogo deveria ficar restrito ao hipódromo, para a coisa funcionar. Se você instalar um casino abaixo de uma das arquibancadas de Gávea e outro nos salões luxuosos do Copacabana Palace, a tendencia maior é das pessoas ficarem seduzidas pelo glamour do hotel.

Os meetings são importantes. Eles criam história e rivalidades. Evidente que no caso de Bagé, não teriamos algo do quilate de uma Breeders Cup, ou mesmo as três semanas na primavera e as outras três no Outono de Keeneland. Mas bons prêmios fazem milagres. E se pagar e em dia, melhor ainda.