HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quinta-feira, 27 de abril de 2017

PONTO CEGO: NA VARANDA DE SUA CASA


Não são poucos, aqueles que se irritam quando eu comento sobre, aquilo que chamo de tribos. É um direito de cada um discordar. Outrossim, não vejo defesas convincentes em números. que possam garantir a inexistência de uma transmissão linear também neste setor. É quando me dou ao direito de perguntar: qual a diferença entre uma transmissão linear de tribos e de familias?

Um dos pontos que provam esta tranmissão, é justamente o número de tribos que caminham para a extinção, como anos atrás aconteceu com Son-in-Law, considerado no inicio do século passado como o rei dos stayers. Os menos avisados bramirão que acabou-se a era dos stayers, dai a extinção da tribo. Ao que pergunto, e a era dos sprinters? Findou-se? Ao contrário ela cresce a cada ano. Pois outro que igualmente foi para o brejo, foi seu rei,  do inicio do século XX, The Tetrarch. Alguém duvida que a descendência de sua filha Mumtaz Mahal continua viva? Logo, depende do individuo, e de sua capacidade de passar adiante o legado recebido.

Com quatro meses quase completos, revejo qual são as tribos que a meu ver continuam a caminho daquilo que chamo de extinção, nas linhas altas dos pedigrees dos ganhadores de grupo. Partindo do principio, que uma tribo ainda viva tenha cinco ou mais individuais ganhadores de grupo

Tourbillon - 01 - Japão e Australia
St. Simon - 02 - USA e Brasil
Sharpen Up - 01 - UAE
Sea-Bird - 01 - USA
Rough´n Trouble - 01 - USA
Pharamond -  01 - Australia
Majestic Prince - 01- USA
Hurry On - 00
Hyperion - 00
Damascus - 01 - Brasil
Blushing Groom - 02 - INDIA e USA  
Blandford - 01 -  UAE
Dominó - 02 - Uruguai e USA

Não lhe parece altamente preocupante trazermos para o Brasil, elementos destas tribos. Evidente que sempre haverão exceções, como Our Captain Willie, Henri le Balafre e Spend a Buck. Mas a que preço? A que número de tentativas? Você só tem certeza que um reprodutor afundou seu haras, quando sua segunda geração chega aos quatro anos, e ai já são mais quatro  gerações a vir, contando os da barriga.

Puxem pela cabeça, e vejam quantos cavalos destas tribos, aportaram no Brasil nestas duas últimas décadas e se transformaram em grandes fracassos? Quanto tempo perdido. Quantas reprodutoras desperdiçadas.

Tudo é uma questão de opinião. Os Icecapades funcionam no Brasil, e diria que eles são a exceção a regra. Devemos nos valer das exceções ou da regra?