HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

sábado, 13 de janeiro de 2018

PAPO DE BOTEQUIM: UMA SOCIEDADE DE OVELHAS ACABA GERANDO UM GOVERNO DE LOBOS


Já me auto identifiquei como um ser impressionavel e poucos foram os autores de minha juventude, que me impressionaram mais que o francês Victor Hugo. Três de suas obras tiveram sobre mim, um grande impacto: Les Miserables, o Corcunda de Notre Dame e o Ùltimo dia de um Condenado, sendo que esta última é citada, tanto por Camus, quanto por Dostoyesvsky e Charles Dickson, como sendo uma obra fundamental em suas respectivas obras como também escritores.

A frase de Victor Hugo, que mais me marcou e que me ativou o senso republicano com que convivo desde aquela ]epoca at]e os dias de hoje, foi: Um sociedade de ovelhas acaba gerando um governo de lobos.

Recentemente aqui tenho publicado, meu total repudio, para como as coisas são tratadas no turfe, por nosso governo. E ressaltei que muitas destas anomalias, são geradas por culpa nossa, que pouco nos preocupamos em "trabalhar" aqueles que em Brasilia, poderiam ser importantes para a nossa atividade. Numa era, que a Lava Jato acaba de provar que foi movida no Brasil, através de lobbus e propinas, nós nada conseguimos a nosso favor e arrisco-me a afirmar, que agimos como um bando de ovelhas a lamentar'se do abandono ao qual fomos obrigados a viver.

Estes dias na Austrállá, as vendas de yearlings extrapolaram todas as mais otimistas expectativas. Como isto pode vir a acontecer em um pais do hemisfério sul? Perguntariam alguns. E eu respondeia para todos: Organização e Metas. e pasmem nem acordos básicos de sanidade, nós temos com aquele continente.

Somos do mesmo hemisfério, e o sul-afeicanos que antes aqui e na Agentina compravam, migraram para a Austrália e lá hoke investem seu rico dinheirnho, E nós? Diia que ficamos a chupar nossos dedinhos. Para se mandar um cavalo para a Austrlia, comoa qui publiquei, temos que manda-lo inicialmente aos Estados Unidos e lá permanecer por um minimo de dois meses, para só então seguir viagem para o continente da Oceânia. Quanto isto custa? Uns US$50,000 mantendo uma linha otimista.

Quem vai investir, mesmo gastanto muito menos no preço de aquisição, em um mercado, em que será primeiro penalisado por um preço exorbitante de transporte e segundo por uma engenharia de passagem por no minimo 60 dias pelo hemisfério norte, confundindo o relógio biológico do atleta em questão.

Hoje a massa de investidores norte-americanos e europeus, no mercado australiano, já se faz notar. mesmo levando-se em conta a diferença de idade. Outrossim, esta yendência, passa a ser reconhecível, pois, a Aistralia conseguir por intermédio de Sir Tristram, Danehill e outros, criar sua própria raça, e principalmente erigir em torno de si um respeito com cavalos como Winx, Black Caviar e outros. N Austrália, é quase que impossivel a utilização de um eprodutor testado e fracassado em outros mercados, adentrar em seus dominios. Ele gostam muito de shuttle, mas o fazem a partir do inedetismo de seus participantes. E quando importantes sementais como Giants Causeway, Holy Roman Empeor, Rock of Gibraltar e outros, mesmo akguns com sucesso em outros mercados, lá falham, se torna impossível voltar. E onde vão aportar estes cavalos? Não na África do Sul e sim na Ámerica do Sul. Logo, até aqui nos resta desfrutar do bagaço...

Fui contra a vinda de Giants Causeway e por isto crivado de balas que achavam uma loucura, sequer pensar, que um cavalo daquele gabarito não seria um plus para a criação sul-americana. Basiei-me no principio simples e básico, mas para mim límpido, que o que não deu na Austrália, dificilmente irã dar na América do Sul. Criadoes brasileiros assumiram o pesado ônus de mandar importantes éguas para a Argentina e pergunto a eles, voltariam se Giant's Causeway fosse novamente trazido?

Agimos como ovelhas e fomos devorados pelos lobos. E o que ganhei com a alerta? Inimigos.

No turfe brasileiro, quando algo sai errado, não é exatamente aquele que errou, que se culpa pela alternativa desastrosa adotada. E sim o tal do destino, o azar, a conspiração, os outros, enfim, qualquer coisa que o exima de culpa. Não lhe parecem aquela história do padre que morreu afogado na enchente do rio argentino, e culpa a Deus por não te-lo salvado, enquanto por três vezes se negou a pegar o bote de salvamento, apenas mantendo a fé que o Todo Poderoso iria se apiedar de sua existência?

Mercado forte, é mercado que mantém plauzíveis relações externas e para isto medidas sanitárias básicas tem que serem tomadas. Mas como seia isto possível, se nem o Mormo conseguimos provar que não atinge nossos haras de thoroughbreds e nossos hipódromos oficiais? Pois é, até lá, vamos viver da ladaínha que o mundo está contra nós, e passar a vender cavalos em 20, 30 ou 60 vezes, pelo valor de lançamento da parcela, como num Bau da Felicidade, sendo devorado pelos lobps, como boas ovelhinhas que teimamos ser...