HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
JOLIE OLIMPICA BRAZILIAN CHAMPION 2YO - HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
NEPAL GAVEA´S CHAMPION 2YO - HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
Santa Maria DE ARARAS: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS ESTRELA NOVA

HARAS ESTRELA NOVA
Venha nos conhecer melhor no Instagram @haras.estrelanova.

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS FRONTEIRA

HARAS FRONTEIRA
HARAS Fronteira

HARAS CIFRA

HARAS CIFRA
HARAS CIFRA - HALSTON POR MARILIA LEMOS

HARAS IGUASSU

HARAS IGUASSU
HARAS IGUASSU A PROCURA DA VELOCIDADE CLÁSSICA - Foto de Karol Loureiro

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

PONTO CEGO: O ENDEUSAMENTO PRECOCE

Vamos e venhamos. Quando alguém se propõe a escrever dois artigos por dia sobre um assunto tão gasoso e empírico como o turfe, estará de vez em quando, sujeito a chuvas e trovoadas. E principalmente em se tratando de corridas no Brasil, - que de ha muito me recuso a explana-las - pois, como sempre digo vivemos na terra onde alguém tem que ganhar. E em alguns casos, até o roto do esfarrapado.

Um Derby como paulista vencido por um perdedor que fazia apenas a sua segunda corrida, no tempo final que foi corrido, apenas corrobora a minha tese. Alguém tinha que ganhar. 2'30" desculpem, mas é dose! Logo, ganhou aquele que chegou primeiro ao disco, não importa da forma como tenha sido.

O Zequinha Fragoso Pires, está certo quando afirma que esta geração não parece sólida, pois, Dashing Court e Urso do Birigui, provaram ser elementos diferenciados mas até a distância da milha. Teriam feito falta eles para puxar o ter de carreira no Derby? Passa a ser a minha pergunta. Wil Myers parece seguir o mesmo caminho. Diferenciado ate a milha - ou em seu caso um pouco mais - e por ai parece que vai ficar. Pouco a se esperar dele na milha e meia, geneticamente falando. Ai vem a minha segunda pergunta; estes três elementos podem ser considerados diferenciados se a turma em que militam não parece ser sólida? Confesso que começo a ter dúvidas.

Que tal um parênteses? Dar nome aos bois, sempre foi o desafio maior de nosso turfe. Numa atividade em que o uso da palavra craque, vulgariza-se para qualquer um que ganha duas ou três carreiras sequenciais com folga. Mas poucos são na verdade, aqueles que se preocupam em saber de quem ele realmente ganhou e da forma como muitas vezes é conseguida. Peço desculpas pelo linguajar, mas vejo muitos daqueles que estão na atividade a ter uma ejaculação precoce, com coisas que a meu ver não fazem o menor nexo. Fecho o parênteses.

E se por acaso o surpreendente ganhador do Derby for na verdade o expoente desta geração que milita em Cidade Jardim? Uma hipótese levantada pelo próprio Zequinha. Possível e lógica, pois acredito que ninguém virá a repetir o que este potro fez. Estrear poucas semanas antes na areia do Tarumã, perder para um dos melhores cavalos da areia no presente momento e já em sua segunda corrida, desabrochar uma atropelada que deve ser no mínimo vista como estarrecedora, nas mãos daquele que considero o melhor jockey brasileiro, em atividade em nosso turfe. Senhores, tudo é possível. Como disse anteriormente ele pode ser um Mind that Bird, ou quem sabe um Secretariat! Só o tempo será capaz de responder.

Falar sobre o pedigree do vencedor? Primeiro temos que nos ater ao fato que o pai de Own Them é o milheiro Salto, e este ser filho do sprinter Pivotal. Ai perguntou onde pode estar a stamina? Não sei. Sei apenas que os filhos de Pivotal estão sendo capazes de transmitir staminha na Europa. Principalmente aqueles que temo mãe Danehill. Ou vocês se esquecem que Sottsass acaba de ganhar o Arco? Vejam que as mães de Own Them e Sottsass se tratam  filhas de transmissores de stamina, como Galileo e Nedawi, sendo elas filhas de descendência de Nijinsky. No caso coincidentemente via o milheiro Green Dancer.



A abertura de um segundo parênteses me parece necessária. Uma observação que fica clara em minha mente. Atentas como são aos pedigrees, como parecem ser as conexões criadoras de Own Them, isto com certeza não me parece ser um fator fortuito.  É um fator pensado e muito bem urdido. E arrisco-me a afirmar que a staminha do ganhador do Derby paulista é tão forte de forma genética em seu pedigree, quanto ao do ganhador do Arco deste ano. Logo, não se precisa de uma fortuna, para se criar algo que pode vir a ser diferenciado. Basta conhecimento. Fecha-se o parênteses.

Mas, independente de conjecturas, uma verdade tem que estar sempre viva em nossas mentes, se a idéia é tratar o turfe brasileiro como algo que pertença a uma atividade global. Não apenas regional. Infelizmente ainda não temos a capacidade de todos os anos vir com um Bal a Bali ou uma Jolie Olimpica. E coisas estranhas são sucetíveis de acontecer neste interim. Temos apenas que aguardar por aqueles que merecem ser realmente endeusados e nos limitar a aplaudir os que ganham, outrossim, de maneira alguma os elevá-los a um patamar que não lhes pertence. O tempo sempre responderá a todas as perguntas.