HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Runhappy: The Documentary

Whirlaway - Documentary

CITATION - Full Documentary

EUROPEAN LISTEDS



THOROUGHBRED DAILY NEWS




PAPO DE BOTEQUIM: O RACIOCINIO LÓGICO QUANDO POSSÍVEL

Existe uma grande diferença em ser velho e ser ultrapassado. Um cara pode ser jovem, e considerado ultrapassado em suas idéias e atitudes. Enquanto um velho, pode agir e ter idéias mais bem posicionadas que alguém mais jovem que ele. Tudo recai naquilo que sempre defendo: conhecimento e imaginação.

Aliás, defendo esta posição, pois, sou velho e não me considero ainda ultrapassado. E não me considero este fato, apenas por gostar de minhas idéias. E sim porque elas estão funcionando. Aliás quero deixar bastante claro que as idéias não são produto de minha imaginação. Na verdade não as crio. As capto pelos exemplos diários e apenas uno as pontas, formando assim uma linha de raciocinio, que considero lógico. Simples, nunca?

Um dos exemplos de idéia e projeto bem sucedido foi o fusca. Conhecido como Volkswagen. O carro do povo. Foi idealizado por Ferdinand Porsche em 1939, a pedido de Adolph Hitler. Um carro popular, de alta eficiência, baixo consumo e garantida durabilidade. para trilhar as novas autobhans construídas na era nazista. Para duzer a verdade eu me sinto um volkswagen, pois, creio que na vida, não é tão importante a data de fabricação e sim o nivel de manutenção.

As pessoas no turfe que tive mais contacto já de idades avançada mas de cabeça lúcidas e jovens, foram Vincent OBrien, George Blackwell, Alejandro Lilienfeld e Atualpa Soares. Aprendi com eles, e entre seus ensinamentos os que mais me marcaram, para o resto de minha vida, foram a jovialidade com que encaravam as mudanças. As aceitavam como naturais. Sabiam da importância da repaginação e dos efeitos da modernidade. Não morriam abraçados a idéia que não haveriam mais Hyperions e Nearcos. Acreditavam na vitalidade de Northern Dancer e Mr. Prospector. Respeitavam o passado, mas viviam intensamente o presente. Tento ser assim, mesmo não consideando ter o talento dos mesmos.

Eu nunca imaginei que Galileo viria a ser o que foi. Mas em poucos segundos captei do que ele poderia ser capaz e imediatamente sai a cata do que poderia selecionar para meus clientes. O mesmo fiz, em ralação a Singspiel, a A. P. Imdy, Scat Daddy, Kingmambo, Giants Causeway, Storm Cats e Distorted Humors e o que deu para adquirir. Quem acreditou, creio que se deu bem. Pelo menos não ouvi até aqui reclamações.


AQUI MESMO DEFENDI, 
HA MAIS DE DEZ ANOS ATRÁS 
A NECESSIDADE DE SE ADQUIRIR 
SANGUE AUSTRALIANO 

E me reportei na época a Redoutes Choice. Hoje está impossivel se acercar de qualquer coisa dele, e antes que seus filhos entrassem com grande sucesso, afirmei que Snitzel seria seu continuador. Tiro e queda, ele parece ser hoje o grande nome da criação da Oceânia. Vejam o pedigree de Bella Rosa, uma dois anos que promte ser a sensação do ano próximo.



Mas já dizia vó Adelina, que de nada adianta se chorar sobre o leite derramado. É tentar pensar quem possa vir a ser o próximo na linha de suceção e procurar que possa acreditar em seu taco.

Eu tenho aqui meus palpites, não vou ficar preso a trazer filhos de War Front, Galileo ou Dubawi, pelo o que foram seus pais. Acho que existem outras formas de se captar, algo bom, dentro de um preço aquicessivel e ter uma boa dose de chance de sucesso. Anuncia-se um Street Cry, que teve vida curta mas profiqua enquanto durou. Partindo-se do principio que foram poucos os Mr. Prospectors que ai no Brasil não funcionaam somado ao sucesso alcançado por um filho de Honor and Glory em nosso criatório, as chances de um acerto são mais do que médias. Diria que boas.

Como um velho pode não ser considerado ultrapassado, um fracassado pode ser apenas algo não bem sucedido, se as chances a eles ofertadas não sejam as melhores possiveis. Quais as chances? Não ha como se dimensionar. Outossim, uma coisa é servir na Coolmoe, na Darley ou em Aga Khanm e não te sucesso. outa na Hill N Dale, Deu para entender, ou seria necessáio se desenhar?

Nada é concreto na criação de cavalos de corrida. Mesmo no fracasso, quando existe uma justificativa, as chances de reverter a situação se tornam possíveis. Você tem que ter apenas o bom senso de saber separar o joio do trigo e rezar pelo melhor.

HORSES



KEENELAND




A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS: ESTRATÉGIA CONSeNSUAL

Caro Renato,  

mais uma vez não consigo me omitir sobre SP, não vou entrar em detalhes consigo pois acredito que sabe mais que eu dos fatos "escabrosos" de SP!!!! Me perdoe vc ainda acreditar que vai dar a volta por cima é crer em papai noel. Os fatos de hoje  são coisas que não tem a mínima explicação! !!!! Vou ficar por aqui e imitando vc são coisas do Brasil na cor do céu de anil. 

Abraços  Cláudio Pragana. Vergonha! !!!!!!


Querido Cláudio

Esperei o dia de segunda-feira para lhe responder, pois, você é um dos poucos amigos que acredito ter feito depois que me tornei profissional na área do turfe e tenho certeza absoluta, que como eu, nosso interesse seja comum: um turfe melhor. Algo que nos empolgue e nos encha de orgulho mesmo que apenas nos confira, fazer uma parte minima, do processo do mesmo.

Entendo o seu e-mail, embora confesse que uma das grandes fazes de minha vida, era quando em Papai Noel acreditava e esperava esperançoso, contando cada segundo. a chegada do dia 25 de Dezembro pela manhã, por aquele velocipede ou aquela bola de futebol, de tamanho oficial, que certamente garantiria meu lugar no time de minha rua. Afinal eu seria o dono da bola!

Hoje estudo e procuro entender o que possa estar acontecendo, com a certeza que as coisas nem sempre acontecem da forma que eu sonhava que pudessem acontecer. Não há mais uma bola, que garanta a minha posição. Tenho que ano, após ano, selecionar cavalos que transcedam a imaginação alheia, na vã expectativa de que pelo menos deixe na memória de alguns, que existo e continuo produzindo aquilo que sempre produzi. O tempo é tirano. Passa e as pessoas esquecem... O aparecimento de cavalos que valem a pena, é que realmente fazem pessoas como nós, ficarmos atrelados a atividade. Isto pauta minhas ações e uma delas é acreditar que nem todos nascem sabendo, muitos aprendem e que mesmo em situações  calamitosas, sempre existirá uma luz no fundo do tunel. E passa a ser minha obceção, chegar até ela. 

Fui arquiteto e portanto nada consigo pensar que não seja parte integrante de um projeto. E desde muito cedo aprendi, que quanto mais incompleto um projeto for, mais fácil se torna aumentar seu custo e menos produtiva tenderá a ser a solução. Cidade Jardim, é um exemplo de um projeto incompleto, - ou talvez da falta de um - graças a administrações do passado. Mas independentemente dos acontecimentos que vivemos nesta última semana, me dá imenso prazer - quase sexual - ver um cavalo como Halston, ganhar um Derby da forma que ganhou. Se mais uma vez foi produto da Procaína ou não, veremos em algumas semanas. Todavia para mim, ser filho de um reprodutor nacional, descender da 13-c e ter mostrado até aqui em pista, tudo que acredito que um cavalo possa ter, para mim faz uma tremenda diferença.

Vejam desperdicio de tempo e dinheiro em muitas coisas que são feitas no turfe brasileiro. E esta sensação do já visto, alimenta o tédio, o descaso e incita, na minha modesta maneira de ver, a possibilidade de manobras manipuláveis de baixa valia. Um erro o leva a outro e este outro quando constantemente repetido, a desistência. Não acredito que seja, o que está acontecendo nos dias de hoje em Cidade Jardim. Medidas duras estão sendo tomadas, numa canoa frágil, cheia de furos e que ainda por cima tem que enfrentar, rio acima, as duras conrretenzas que a querem tragar as cataratas, rio abaixo.

Acredito que a maioria das iniciativas que vigoram hoje com sucesso no turfe moderno, fazem parte de uma estratégia consensual. Estatrégia esta consubstanciada em lógica, e aceita por uma importante faixa do mercado. Não me foi explicado com detalhes qual seria esta por parte das pessoas que hoje lideram Cidade Jardim, mas acredito que pelos nomes que lá figuram, que exista uma e nela tenho o dever como amante desta atividade, em acreditar. 

Concordo que para muitos o simples mencionar da palavra estratégia já aniquila o pensamento, em se tratando de nosso Brasil, varonil com o céu cor de anil, manchado pelo passado deixado por Lula e seus aceclas.  E consensual, é algo impossível de seque conceber sua existiências, numa sociedade que nivela por muito baixo, o diálogo, politico, social e religioso. Somos hoje uma nação de rotulos internéticos. temos coxinhas, facistas, homofóbidos, mortandelas, comunistas e eu sou do tempo que eramos apenas rubronegros, alvinegros e tricolores. Mas acredita meu caro amigo, a estrategia consensual quando bem aplicada, funciona. Ghadeer, o único reprodutor que teve seu sindicato formado pelos três mais importantes haras da época, Mondesir, Santa Ana do Rio Grande e Santa Maria de Araras, é o exemplo mais eloquente daquilo que rotulo como uma estratégia consensual. Os leilões de reprodutoras importadas levado a efeito décadas atrás pelos criadores paulistas, é outro exemplo bem sucedido desta estratégia. O antigo posto de monta do Jockey Club de São Paulo foi um marco de uma estatégia consensual, nos moldes ingleses e irlandeses. E por ai, vai. Porque, não repetimos estes exemplos? Será que a idéia de que a união faz a força esvaiu-se por nossos poros na direção dos ralos da vida? Ou o confronto de egos, acaba por falar mais alto? 

Continuo acreditando. Continuo sonhando, não mais com a bola de tamanho oficial, mas por cavalos como Much Better, Itajara, Duplex, Immensity, Riboletta, Bal a Bali, Flight Time e por que não por Halston? E acrescentaria que com um pouco de paciência e sorte, de uma Cidade Jardim com o mesmo potencial de décadas passadas.

Um grande abraço, do ainda sonhador e esperançoso, seu amigo de sempre.

Renato Gameiro

THOROUGHBRED DAILY NEWS


NO JAPÃO






domingo, 11 de novembro de 2018

SAUDADES DESTA TURMA


EUROPEAN YEARLING MARKET


NA TV


THOROUGHBRED DAILY NEWS



KEENELAND



2018 - Lexus Stakes - A Prince Of Arran

2018 - Mackinnon Stakes - Trap For Fools

Victoria Derby 2018 - Melbourne Cup Carnival Flemington Racecourse - 250...

2018 - VRC Sprint Classic - Santa Ana Lane

Gaining - Prix Fille de l'Air - Toulouse - 10/11/18

PAPO DE BOTEQUIM; AGORA COMPLICOU

Agora complicou de vez!

Halston ganhou o Derby Paulista, convencendo até o mais cético dos criticos da mais pura e límpida realidade que é o lider inconteste desta geração. Teóricamente em pista, levantou a triplice coroa assoviando. E o fez num tempo que considerei espetacular  para uma pista dita como pesada, embora o José Carlos Fragoso Pires, Junior, lembrou com extrema perspicácia que a mesma estava boa para tempo, ja que Consul America meteu 53" e uns quebradinhos. 

Esta vitória indiscutivel de Halston - sempre corrido por fora como as grandes barbadas devem ser  sempre corridas - cria em meu modo de pensar,  duas possibilidades. A primeira que se for pego novamente no exame anti-dopping, prova que o tratamento a ele ministrado lhe dá uma vantagem grande em relação aos demais. Mas se for negativa desta feita a resposta, é simples: que com procaina ou sem procaina, ele corre para burro!

Vamos por partes. Primeiro me dou ao direito de perguntar a aqueles que querem crucificar um treinador, como fizeram anos atrás, nesta mesma Cidade Jardim, com o Leandro Guignone, liderados por um treinador que ora usa outros nomes para treinar, com medo que seja pego já que não conta mais com o beneplácido de uma conivente comissão de corridas, esquecendo-se da premissa básica que não há treinador bem sucedido que não tenha pelo menos uma vez sido suspenso por medicação. Até os apadrinhados, um dia entram no gancho. 

Sou completmente contra o dopping, todavia, extemamente cauteloso em enforcar alguém, por um crime que vários cometeram e nem sequer subiram o cadafalso.  Se há dolo, terá que haver punição. Mas sem caçã as bruxas. O tempo da Inquisição está pedido na história

Segundo que não existe droga mágica, capaz de fazer um sofá correr mais do que um cavalo de corrida. Existem sim drogas que ministradas em forma de tratamento, aumemtam a capacidade de performance de um animal. Contudo, quando isto acontece, ele passa de nota 9 para 10, não de 6 para 10. E tudo resume-se numa questão de quanto tempo é necessário para que os vestigios da mesma, desapareçam do organismo ou de outras substâncias que escondam a sua mancha, quando do exame. As vezes um dia a mais no tratamento, complica a situação. Existem cavalos cujos organismos agem de forma distinta.

Desculpem aos que assim não concordam, mas ganhar em 1"58", não dá o direito dele voltar com 400 metros a mais e finalisar assoviando em pouco mais de 2'25", como fez. Naquele que talvez tenha sido um dos melhores tempos já estabelecidos para esta prova em sua era moderna. Na minha opinião, ele correu ainda mais no Derby que no Jockey Club de São Paulo e isto me faz crer ser ele um diferenciado, com ou sem aquilo que chamam de um estimulante de performance.

Penitemcio-me por não achar que houvesse uma craque na carreira. Havia e ele provou ser, do nivel dos grandes que citei ontem. Quem acompanha meu trabalho, sabe como sou vidrado a linha 13-c, principalmente no veio de Myrtlewood, o mesmo de Seattle Slew e Mr. Prospector. Sempre aqui defendi o garanhão nacional e creio que Setembro Chove nunca saiu de meu radar. Sempre o tive em conta e todo ano vou lá examinar sua produção. Setembro Chove se consagrou fora de nossas fronteiras, está no Paraná a espera que os homens de boa vontade passem a acreditar que santo de casa também faz milagres.

Portanto, passados muitos anos, eis que o Derby Paulista nos brinda com algo que reconheço como muito especial.

HORSES



PONTO CEGO: O DETALHE EM UNION RAGS

Não pensem vocês que sou um escravo dos detalhes. Os sigo mas dentro de um quadro geral e amplo de opções. Mas ao mesmo tempo confesso, que entre dois elementos de mesmo padrão fisico, minha tendência será dar a preferência para aquele que trás em seu pedigree, aquilo que eu chamo de um diferencial genético. Pode ser uma duplicação, pode ser uma linha baixa, pode ser uma estrutura ou mesmo caracteristicas que o fizeram parecer a meus olhos, seu pai ou o avô materno, no caso de term sido considerados, craques.

Union Rags foi um champion 2yO que nunca me convenceu a ser considerado como um futuro membro do alto clero criacional. E ele seguiu para a Lanes End, com a crensa do mercado como que poderia ser um deles. Acho que não o é. Pois, penso que um reprodutor com três gerações estreadas, - a mais velha, cerca de completar 5 anos - e um número de apenas sete individuais ganhadores de grupo, não creio que possa ser chamado de sucesso, mesmo levando-se em conta,  serem três deles, bem sucedidos na esfera máxima.

Michael Matz, um dos melhores treinadores em atividade na Costa Este, soube fazer dele, como fizera com Barbaro, um elemento atrativo ao mercado. E diga-se de passagem que Union Rags, tende a gerar produtos a sua semelhança, num tipo que o proprietário e mais ainda o treinador note-americanos, adoram. Forte, robusto e compacto. Pois bem atentem no quadro que apesento abaixo um detalhe.



As duplicações que funcionam em nos pedigees de seus filhos que se tornam ganhadores de grupo, são encima basicamente de quatro chefes de raça, Northern Dancer, Mr. Prospector, Seattle Slew e Secretariatç E se vocês prestarem ainda mais atenção, não consigo deixar de notar que o imbreed em Secretariat parece ser aquele mais eficaz. Assim sendo, seria este detalhe que eu levaria mais em conta na decisão entre dois elementos idênticos em aptidões fisicas, para selecionar. Embora na dúvida sempre seja melhor levar os dois, se um deles fosse filho de Union Rags e tivesse, pelo menos, um imbreed em Secretariat, em seu pedigree, seria com certeza o meu escolhido. Afinal cinco em sete, em minhas contas ainda são

São assim que os detalhes deveriam ser tratados. Eles não são verdades biblicas, a serem seguidos de uma forma cega, contudo, tem a tendência de se confirmarem, quando repetidos. Logo, porque, não leva-los em conta?

HORSES



SEGUNDO A LONGINES, O MELHOR MACHO DO UNIVERSO


A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS: ENABLE OU CRACKSMAN?

A última pergunta complicada a que foi submetida minha caixa de emails, foi porque Cracksman tinha uma pontuação maior no ranking da Longines que Enable? Independentemente dos critérios de pontuação, eu também acho isto um absurdo e agora que ambos venceram duas importantíssimas carreiras, vamos ver qual serão os números dados aos mesmos, se uma pesuisa mundial fose levada a efeito.

Sempre existirão diferenças nos seres humanos que extrapolam as raias da razão. E embora o argentino não possa ser visto como um se humano modesto - para muitos até como ser humano - Boca e River é uma final de Libertadores até ontem não vista. Como seria uma de Real Madrid e Barcelona, com altos adereços de politica, o Celtic e o Glascow com nuances religiosas, o Milan e o Internacionale que como Boca e River nasceram na mesma cidade. Nunca esquecendo do Grenal.  este sim, o que mis contém veneno letal. Com ceteza a maior do planeta...Pois, a rivalidade nacional é complicada. Porque? Porque você vai encontrar o torcedor do time adversário, na padaria, no ônibus, no trabalho e até em seu andar do prédio em que mora. E diria até que existem as familiares, que a meu ver são bem mais simples de serem contornados, quando as familias são estuturadas.

Todavia, chamar o jogo de la Final, del Mundo, eu diria que parece uma afirmativa exagerada, pois A Final do Mundo, já se realizou em 1970 no México, quando duas seleções - então as únicas bi campeãs do mundo - se defrontaram com a presença do maior jogador de futebol de todos os tempos. E somando-se a isto, a posse definitiva da Taça Jules Rimet. Eu tinha 20 nos e estava lá. Não teria sido mais importante, que o Boca e river jogado ontem?

Infelizmente no turfe, estes embates impressindiveis, a meu ver,  a manuteção do interesse do publico são evitados. Quem não gostaria de ver uma Zenyatta enfrentando uma Rachel Alexandre,  Qual a defesa da atitude? A manutenção do status quo? No turfe, como em qualque outro esporte o enfentamento deveria ser prioritário. Pois se isto é evitado sempre existirão divergências em rankings, Como por exemplo, Cracksman e Enable.


Eu acho que Enable é melhor que Cracksman na milha e meia. Mas nos 2,000 metros teria uma certa dúvida. Mas como estão no mesmo barn, a preservação se torna mais importante, para a manutenção da ordem. Sempre haverá uma tendência, de se brindar o macho com um peso maior, afinal ele irá gerar 125 potros por ano e Enable, apenas um, e que será reservado. A pergunta é simples. o que interessa mais o mercado?

O mercado é que gera o bem estar da atividade. num mercado altamente competitivo como o modeno, o dinheiro tem que circula e a melhor forma de fazê-lo é com os machos na reprodução. Porisso sempre existirá uma maior afago sobre os mesmos na hora de ranquear, quem quer que seja. Paa dizer a verdade, se eu não tivesse a Enable, ficaria bastante satisfeito de ter Cracksman.


OS REIS DO PEDAÇO



EUROPEAN LISTEDS




EM CHURCHILL DOWNS