HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

terça-feira, 22 de maio de 2018

Castellar - Saint-Cloud - Prix Cleopatre - 21/05/2018

Belmont Stakes 50s 60s

Bateel - Prix Corrida - Saint-Cloud - 21/05/18

Ancient Spirit - Cologne - 21/05/2018

FASIG TIPTON













PAPO DE BOTEQUIM: FOGO EM ROMA

A falta de recursos altera o perfil de um mercado. Tesio deixou um legado para o tufe italiano, que ainda perdurou duas decadas, mas que pouco a pouco foi perdendo seu significado por questões financeiras. A Itália saiu do mapa europeu. Ele fazia seus cuzamentos e aquisições para correr e tinha o Derby de Epson como base de suas pesquisas, tanto no concernente a seleção de reprodutores, como as linhas baixas a serem adquiridas para si. Não eram o número de black types que o impressionavam nas primeiras mães e sim as provas maiores de grupo 1, que aquela familia trazia em seu bojo.

A Italia caiu, passou a trazer e usar reprodutores cheios de história mas nenhuma com o conteúdo certo. O lixo dos grandes potentados. John Aiscan me disse uma vez que quando você tem que explicar para apresentar um cavalo se complica. O bom cavalo era aquele que você dizia seu nome, e todos imediatamente reconheciam. E creio que Poet's Voice, recentemente desaparecido poderia ser considerado um destes. Foi milheiro de primeira turma na Inglaterra, filho de um consagrado reprodutor, numa ganhadora, descendente da French Oaks winner Dunette, que a seu tempo bateu os machos no Grand Prix de Saint.Cloud (Gr,1), entre eles o também ganhador desta prova Shakampour e o vencedor do Derby francês, Policeman.

Outrossim, atentem para a estrutura genética de Kammaan, e sua inusitada duplicação numa das consideradas matriarcas deste século, Fairy Bridge

Historia não tão curta mas para mim tremendamente convincente, como elas deveriam ser. Aquelas em que o cavalo se bate no partidor, que sente quando deveria ganhar, que contava com trabalhos espetaculares, servem tao somente para aqueles que gostam de ser enganados, e não tem dinheiro suficiente para escalar o morro. Não para aqueles que querem crescer na atividade e tentar sair do buraco em que nos encontramos.

E foi neste novo prisma que os criadores italianos passaram a agir, ajudados em muito financeiramente pelo governo, num plano altamente interessante de investimento. Estão agindo com o cerebro, e não mais com o coração tanto no beeding-shed como no tattersall.

Summer Festival, ganhador este domingo do derby italiano, agora uma prova de graduação 2,  é produto de um cruzamento que considero inteligente, como inteligente já havia sido o cruzamento engendado para sua mãe. 

O Derby italiano pode ter decaido de patamar do primeio nivel de disputa europeu, mas ainda é uma prova muito dificil de ser ganha, assim como a milha internacional de Cidade Jardim. Nós brasileiros, deveriamos nos espelhar nestes exemplos e deixar de lado aqueles pedigrees bonitos, que não demonstraram efetividade alguma em pista, mas cheio de historinhas a serem contadas, que tentam explicar aquilo que não pecisa ser explicado, pois, está estampado na cara. 

Quem acreditar nos Neros da vida, que botem fogo em Roma.


HORSES




PONTO CEGO: E LANDO AINDA DEU NO CORO AOS 22 ANOS DE IDADE

Cada vez são menores as oportunidades que tenho de ver reprodutores com mais de 20 anos, ainda estarem nas manchetes turfísticas não sendo eles, marcos genéticos. Ter 22 anos, emprenhar uma égua e esta conceber um produto que venha a ganhar prova de grupo no circuito europeu, me parece uma façanha dificl de se conceber, pois, poucos, são os que tem conseguido, mesmo em se tratando de Alemanha, que é um centro criatório com situações próprias.

Lando acaba de conseguir isto este fim de semana, com a vitória de Sound Chck, no Oleadenr Rennen (Gr.3). Fertlizou a égua aos 22 anos de idade e veio a morrer no ano seguinte.

Embora tenha vindo a ser um Champion, 2,3 e older horse, acumular dois titulos de horse of the Year em seu pais de origem, e iniciar suas obrigações no breeding-shed, em solo francês, este filho do grande Acatenango, não conseguiu ser a sombra do que foi seu pai em termos reprodutivos. Mas foi um reprodutor, a meu ver, bem acima da média. Seria esta sua capacidade de poder vir a gerar um elemento clássico por ele portar um importantissimo imbreed nos irmãos inteiroa Literat e Liberty, em linhas consideradas principais?

E verdade que em se tratando de Acatenango seu pai, Surumu seu avô e Birkhahn seu tataravô, teremos somados nada menos de 14 titulos de estatisticas de reprodutores por prêmios ganhos, na Alemanha. Isto para mim - e creio que para a torcida do Flamengo - tem que ser considerado, grande demais. 

NO BRASIL, 
PELA PRECARUEDADE DE INVESTIMENTOS, 
FACILMENTE UM REPRODUTOR 
PASSA DOS VINTE 
E CONTINUA PRODUZINDO
ELEMENTOS NO CIRCUITO CLÁSSICO

Outrossim, numa visão meramente pessoal, analiso a idade dos reprodutores que vieram a fertilizar éguas que produziam aqueles que considero os 15 maiores cavalos que o Brasil produziu na era modena e chegaremos a seguinte conclusão: Dos 12 reproutores que aparecem na lista abaixo, apenas seis (50%), conseguiram gerar um elemento de exceçao ai fertilizarem a égua com menos de 10 anos de idade. E cavalos que se sairam muito bem no hemisfério norte, tais como Pico Central, Hard Buck, Einstein, e Bal a Bali foram concebidos por eprodutores que fertilizaram sua éguas com idade superior a 15 anos de idade.

Siphon - Itajara (7 anos) 
Sandpt e Much Better - Baynoun (7 anos)
Pico Central e Hard Buck - Spend a Buck (16 anos)
Einstein - Spend a Buck (19 anos)
Riboletta - Roi Normand (11 anos)
Gloria de Campeão - Impression (6  anos)
Duplex - Breeders Deam (8 anos)
Bal a Bali - Put it Back (21 anos)
Itajara - Felico (17 anos)
Cacique Negro - Kuryakin (15 anos)
Quari Bravo - Punk (9 anos)
Immensity - Zenabre (19 anos)
Emerald Hill - Locris (9 anos)

VOCÊS JÁ TINHAM VISTO SETE NATALMAS EM UM PEDIGREE DE SEIS GERAÇÕES?

Eu acabei de constatar numa ganhadora de grupo 3, este fim de semana na Itália. É os italianos já acordaram para a nova realidade... Quando chegará a nossa vez?



HORSES




A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS: PASSAR POR ELE...

Bom dia. 
O grande cavalo é provado em toda corrida. 
Sábado eu achei que a 200m do disco Justify poderia ser ultrapassado. Só que grandes atletas tiram recursos não sei da onde para se superarem, como me pareceu o caso. Talvez aquela vontade de ganhar, que o outro vem de trás para passar e não consegue. 

Após o Santa Anita Derby me surprendeu também, mas por ser verde ainda e encarar outra pista com grandes corredores, teria que se superar novamente. E o fez sem gerar dúvidas. Agora vem os 2.400m para coroar seu esforço... 

Mas no final do ano vem a Classic contra os mais velhos para fechar com chave de ouro seu ano... Outra coisa, ganhar sempre é bom, nem que seja por raspa de focinho... Como falava Dada Maravilha, não tem gol feio, feio é não fazer gol..

Marcel Bacelo

Marcel,

Já estou escaldado. Vejo cavalos de corrida por um parâmetro diametralmente oposto a aqueles que acham que Justify ganhou com as calças na mão, Concordo com você. Bons cavalos retiram algo que seus adversários não tem. Aquela vontade imensa de vencer. Logo chegar perto deles, não parece ser tão dificil, levando-se em conta as condições em que Justify teve que enfrentar sábado. Agora passar por ele...

Abraços
Renato

PS - Dadá era gênio.


O QUE VEM POR AI: DAQUI A ALGUMAS HORAS


EM MORPHETTSVILLE






NA PEQUENINA ASCOT


EM DOONBEM






segunda-feira, 21 de maio de 2018

2018.05.20 Derby Italiano - Summer Festival

47. Oleander-Rennen - Group 2 (A) 2018

O OLHAR DO CRIADOR UTALIANO ESTÁ DE OLHO NESTE TIPO DE PEDIGREE


THOROUGHBRED DAILY NEWS




MEMORIA


THOROUGHBRED DAILY NEWS



MAUSUM QUE SE VAI


PAPO DE BOTEQUIM: A INFLUÊNCIA DAS DUPLICAÇÕES NAS VENCEDORAS MODERNAS DO OAKS JAPONÊS

Uma piada mal colocada, mesmo que seja boa, soa mal. Talvez algumas que fiz, ao longo deste blog, tenham soado mal aos ouvidos de muitos. Porém, uma que me foi contada recentemente, realmente doeu em meus ouvidos. Um leitor, que parece que não coaduna muito com minhas idéias, disse que eu estava enxegando que nem japonês com muita miopia, aquilo de que Deep Impact poderia ser capaz de fazer na velha Inglaterra,

Sou benevolente com qualquer ser humano que milite e goste do turfe, até aquele que como este senhor, ainda teime em cruzar aquilo que acredita ser Nearco com Hyperion, desmerecendo toda a descêndencia dos mesmos, em gerações sucessivas.

Eu acho o Japão um pais supreendente, pois, depois de duas bombas atômicas, ser o que é, e após ser vandalizado geneticamento com cavalos europeus de sucesso em pista, mas tremendamente fracassados no breedimng-shed, e assim mesmo chegar onde eles estão chegando, para mim é digno de respeito.

Outrossim, o criador japonês tem feito por onde. Analisem as vencedoras de uma das carreiras mais dificeis de ser ganha dentro do calendário japonês: seu Oaks.

Das dez vencedoras de 2010 para cá - já quem em 2010 tivemos um empate - note-se que apenas  três delas não foram ganhadoras de grupo e apenas uma não ganhadora. Sete, ou seja 70% ganharam provas de grupo, sendo que  quatro delas de graduação máxima e sendo as três ultimas mães de vencedoras, estabelecidas nesta categoria. Isto por si só já seria um luxo, em termos de seleção genética. mas como seriam as iades festas mães quando foram fertilizadas pelo semem dos garanhões? Apenas três com a idade acima de 9 anos e todas, sem exceção, ganhadoras de grupo. Cimi são também apenas três, as de origem local. Coincidentemente uma que nem se colocou e outra com apenas vitórias.

Todavia, o que mais me chama a atenção, é que todas estas vencedoras tem pelo menos uma duplicação em seus pedigrees e oito pelo menos duas.


Notem ainda que em se tratando de duplicações, seis destas vencedoras, tem no minimo uma feminina.

Porém, a piada maior solta por este senhor, é que na verdade reverberou negativamente em meu canal auditivo, foi a sua certeza que o grande trunfo da criação japonesa estava no fato, por ele constatado, de não haver Northern Dancer.

Northern Dancer não está incisivo nas linhas altas, mas sua participação nas estruturas genéticas, me parece uma outra conversa. Não pode ser simplesmente desprezada. Ou será que o fato de sete destas vencedoras terem seu nome duplicado, uma em sua mãe e quatro em sua avó, não caractarizam a importâmcia de sua importante, mas naõ notada pelo distinto critico, presença?

E QUE NO BRASIL, SE ABRAM OS PEDIGREES...

HORSES




A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS: ENCHERGAR COM CH

Prezado Renato,

Sou leitor do teu blog desde 2005 aproximadamente, e nestes anos todos te mandei apenas dois emails. Não por falta de vontade, mas porque sempre acabo deixando "para depois" e os assuntos acabam perdendo a relevância.
Um email que escrevi mentalmente diversas vezes e nunca mandei era sobre a égua Met Blade e seus descendentes, mas este assunto deixamos talvez para uma próxima oportunidade...
Sobre Justify, ia escrever ontem, antes do Preakness. Após o páreo, imagino que a tua caixa de entrada esteja sendo invadida por cornetas diversas... Não consigo ainda ter uma opinião formada sobre a grandeza deste cavalo e suas possiblidades de fazer ou não história. Entendo que você é mais passional, e destemido em manifestar admiração por determinados cavalos antes que eles tenham confirmado a grandeza que você enxerga nos primeiros momentos. Até agora não vi você errar feio em nenhuma dessas manifestações e não será desta vez, com ou sem tríplice coroa pra Justify.
Justify certamente tem um brilho diferente, e essa "maldição" de que animais que não correram aos dois anos não seriam capazes de ganhar o Derby é lenda, você foi muito feliz em afirmar que essa premissa considera 100 anos de história, mas os métodos de treinamento mudaram, os interesses comerciais também, então esta estatística não diz muita coisa. Mas tem um ponto que é muito relevante para quem não correu aos dois anos: a Road For The Derby fica curta. Justifiy estreou mostrando brilho, ganhou a segunda corrida e a terceira já era o Santa Anita Derby. Hoje ele chegou à quinta corrida em 13 semanas, e se correr o Belmont serão 6 atuações em 16 semanas. Cavalos não são robôs, e esta agenda acelerada certamente cobra um preço. Acho que hoje já cobrou, e ele só ganhou porque é diferenciado. Você mesmo fez esta afirmação quando American Pharoah perdeu o Travers (eu, aliás, colocaria um agravante, American Pharoah voltava, depois de cada atuação, a sua cocheira em Churchill Downs, sendo talvez o único cavalo que eu vi até hoje, sendo candidato a tríplice coroado, a não ir de Pimlico direto para Belmont, como todos fazem).
Enfim, sobre Justify, me parece um grande cavalo, mas talvez o rigor da tríplice coroa cobre um preço caro no seu futuro. Após o Preakness, duvido muito que ele consiga a sequência que você profetizou de Tríplice Coroa + Travers + BC Classic. Se ele for tríplice coroado, cairá no "graveyard of the champions", ou nem chegará a ir a Saratoga pra ter alguma chance na Classic.
Sobre American Pharoah, gostaria de levantar alguns pontos para tua relfexão. Em primeiro lugar, quero deixar claro que não pretendo discutir seu pedigree e muito menos suas possibilidade de sucesso na reprodução. Gostaria apenas de comparar a sua campanha com outros dois elementos que balançaram mais o teu coração (mais um parêntese, acho perfeitamente justo que qualquer turfista tenha uma predileção irracional por cavalos "ídolos"). American Pharoah foi eleito 2yo champion mesmo sem correr a BC Juvenile por problemas físicos, algo raro, e que só mostra o quanto de brilho ele mostrou aos dois anos. Foi tríplice coroado, ganhando o Derby em tempo fraco (talvez a pior vitória de toda a sua campanha), o Preakness em tempo horrível, mas com uma tranquilidade que Justify não teve hoje, e o Belmont no melhor tempo desde Secretariat. Importante lembrar que em duas das três provas da tríplice coroa ele derrotou com autoridade ao tordilho Frosted, que embora tenha tido uma campanha irregular, mostrou muito brilho em algumas oportunidades (você mesmo já elogiou bastante o Frosted, algo que concordo). Talvez o que tenha faltado para American Pharoah ser considerado um dos maiores de todos os tempos na América seja aquela mesma vitória na Classic, mas derrotando Beholder. Nunca saberemos como teria sido... Mas o fato é que American Pharoah teve uma campanha brilhante por aproximadamente um ano e meio, desde a metade dos seus dois anos até o final dos 3.
Comparando, Arrogate teve momentos de intenso brilho, mas que duraram menos de um ano. Um Travers em tempo espetacular (e cabe aqui a ressalva que alguns fazem - e eu discordo - do famoso "contra ninguém", não acho que a falta de adversários tire o brilho de uma vitória demolidora), uma Classic sensacional contra California Chrome, a Pegasus e outra vitória espetacular em Dubai. Certamente o fato de chegar "fresh" naquele momento do ano ajudou e muito... Arrogate está com certeza na história do turfe deste século, mas não o comparo com American Pharoah pelo simples fato que são campanhas com timings completamente diferentes. Se fosse obrigado a opinar, diria que o auge de Arrogate foi mais brilhante que o auge do American Pharoah, mas os feitos do tríplice coroado são maiores. Enfim, questão de opinião...
Quanto a Justify, por enquanto ele é apenas um "maybe". Está no mesmo patamar do I´ll Have Another, Big Brown, Real Quiet, etc. apenas lembrando os que ganharam com firmeza as duas primeiras coroas (para chegar no patamar do Californa Chrome, por exemplo, também vai ter que provar). Se ele não correr o Belmont, descansar e voltar ganhando tudo (é uma possiblidade), sua consagração estará garantida, mas nunca poderá ser comparado aos que foram tríplices coroados. A grandeza da tríplice coroa está também em superar o rigor desta sequência. American Pharoah foi o único que superou nos últimos 40 anos, e isto precisa ser valorizado.

Enfim, como falei acima, são apenas opiniões. 

Grande abraço.


Mauro Porto.

Mauro,

Contra a lógica qualquer raciocinio contrário, deveria ser imediatamente visto, no mínimo como ilógico. Sua narrativa Mauro, é lógica. Logo, nada a se subtrair, muito menos a somar. Apenas aplaudir. Parabens.

Sim minha caixa de emails ferveu, pois, o número de torce contra existentes em nossas lides turfisticas, você já sacou ser incomensurável. Aliás, um detalhe bem brasileiro, o de ser contra pelo simples fato de não querer ser a favor. Se é impossivel se ganhar que o vizinho, ou aqule que o fala que seja o último a fazê-lo. Mas acho que isto faz parte do game. Eu erro e acerto com a mesma naturalidade, pois, como diria o poeta popular, so erra e só faz gol em penalty quem bate. Não sou um Henrique Dourado, mas confesso que faço mais do que perco.

Eu sempre fui avêsso a idolatrias e principalmente a comparar divindades. Dou um exemplo recente: Arrogate e Gun Runner, em períodos distintos alcançaram o apix de suas respectivas carreiras, e por isto muitos podem vir a achar Arrogate superior a Gun Runner, pelo fato do placar ter sido mais favoravel ao primeiro, em confrontos diretos. Eu acho que a carreira de Arrogate foi apenas mais arrojada e gosto mais de seu pedigree, outrossim considero dois elementos que fazem juz ao rol dos diferenciaveis.

Já imaginou se na raça humana, comparacemos inteligências tendo como paramêtro único, Einstein? A grande maioria teria que ser considerada burra. Não que não o seja, mas...

Da mesma forma não acredito que ninguém, a princípio, pode querer se comparar a Frankel, Ribot ou mesmo Black Caviar, pois, além de diferenciados, foram invictos, e mantiveram suas respectivas invencibilidades por longos periodos. Mais eles poderiam ser elevados a um patamar maior que Zenyatta, Enable ou mesmo Winx, pela simples teoria que duas primeiras perderam uma carreira e a outra seis antes de iniciar uma sequência escandalosa? Eu acharia ridiculo. Mas vamos além. Cigar deixaria de ser o que foi, por ter se firmado apenas no dirt, depois de testado com maus resultados no turfe? Como seria visto Alydar se não tivesse nascido no mesmo ano de Affirmed?  Não teriam sido os dois invictos, triplices coroados? E no tocante a Easy Goer de Sunday Silence, a situação poderia ser considerada distinta?

Um dos cavalos que mais admiro é Nijinsky, e seu final não foi dos mais brilhantes. Agora imagina se por aquele focinho de Sassafras, o que seria de Nijinsky retirado invicto depois do Arco? Não poderia estar sendo cantado até hoje em prosa e verso, como o cavalo do século?

Se acertei com Frankel. Arrogate, Zarkava, Sea the Stars, Camelot o mérito na realidade não está em acertar e sim de pressentir. E pressentir sempre gera dois lados, Brinco que enchergo com CH, embora o certo seria fazê-lo com X. E senti que você sacou quão perigoso é se pressentir e mais ainda afirmar, numa mercado cercado de tanta desconfiança e inveja como o brasileiro.

O mais fácil é bater palmas para o êxito e se negar a arriscar uma opinião que pode se constituir num fracasso, produto de uma má largada ou de um dia infeliz. O problema é que quando você além de analista se intitula um agente de compra e venda de cavalos, o risco passa a ser parte de sua vida. Levantar o dedo, todos que tem dinheiro e vontade de pagar, o fazem. O problema é levantar na hora certa...

Mas falemos de Justify. Você está certo quando afirma que: Mas tem um ponto que é muito relevante para quem não correu aos dois anos: a Road For The Derby fica curta. Justifiy estreou mostrando brilho, ganhou a segunda corrida e a terceira já era o Santa Anita Derby. Este fato me levou a ver Justify com outros olhos. Diferentemente de Frankel ou Zarkava, que me convenceram no segundo seguinte de suas respectivas entréias. Justify fez algo, que acho muito dificil de ser repetido e creio que será muito dificil de ser repetido. Só depois do Santa Anita derby, notei seu diferenciamento. Bobeei. Olhe suas duas primeiras carreiras e sõ o fato de Baffert insceve-lo na prova máxima de potros do Estado da California, ainda verdinho, já era um indicio, que coisas sobrenaturais habitavam o universo deste individuo. Aliás destes dois individuos, pois, Baffert me parece também algo diferenciável. E não é de hoje.

Como você, igualmente não acredito que turma fraca desmerece a quem os bate, se a forma com que foram batidos for esmagadora. Não existem muitas gerações onde possa se pinçar dois ou três elementos de exceção. Tanto Secretariat quanto Seattle Slew também não ganharam de ninguém. Mas os tempos, estabelecidos pelo primeiro e a forma invicta com que Seattle Slew levantou a sua triplice coroa, demonstam do que eles dois eram feitos. Na geração de Affirmed, ninguém poderia lhe fazer frente a não ser Alydar e um prego solto na pista e a irresponsabilidade de um galopador, feito da noite para o dia jóckey. inviabilizaram que Spectacular Bid não viesse a ser triplice coroado. E sua geração era pífia. Assim sendo a fotma de esmagar a competência é que determina a grandeza da potencialidade. Gostei desta frase. A usarei mais vezes...

Eu acho que American Pharoah foi um grande cavalo, mas que só ,mostou real grandeza a partir do Belmont. Seu Derby e seu Prealness foram indiscutiveis, outrossim, pelo menos para mim, longe de serem negativos. Mas o considero mais cavalo que California Chrome, cujo desempenho em pista foi espetacular. Porém, para mim, menos significativo. Você se lembram de Shared Believe? Pois, acho que poucos lembram. Chamou-me mais atenção que California Chrome e quem me pova que ele não poderia até se triplice coroado?

Fui um pouco mais abusado. Afirmei que se Justify viesse a vencer a triplice coroa, não seriam apenas o Travers e a Breeders Cup Classic que poderia vir a vencer. Acrecentei a Jockey Club Gold Cup, como poderia ter acrecentado em troca o Pacific Classic e omitido uma destas carreiras. Mas aceito tratarem-se de ilações passionais que as vezes extrapolam a linha da realidade. Estou igualmente sujeito a elas e gostam quando me chamam  razão.

Porém, acredito que nas condições em que este Preakness foi realizado, levando-se em conta não apenas o clima, mas principalmente o estágio em carreira em que Justify se encontrava, este era o grande obstáculo que teria que transpor. E penso que ele o transpos sem levar lama e deixar a blusa de Mike Smith sequer manchada, não me importa que tenha deixado de ser da forma que todos desejavam 

Você disse com bastante popriedade: Hoje ele chegou à quinta corrida em 13 semanas, e se correr o Belmont serão 6 atuações em 16 semanas. Cavalos não são robôs, e esta agenda acelerada certamente cobra um preço. Acho que hoje já cobrou, e ele só ganhou porque é diferenciado.

Pois é. Nada mais pode ser somado ao que escreveste. Esta é a minha linha de raciocinio e que me faz acreditar que não existem desafios maiores que Justify não possa enfrentar e vencer. Isto, por si, só o diferencia dos demais. Até onde será este seu limite? O Belmont? O Travers? a Breeders Cup Classic? E se ele vencer todos estes desafios e ainda encarar com sucesso uma Pegasus e uma Dubai Cup? Serei considerado gênio? Até deveria, mas não absolutamente não o sou. Apenas fui um cara que encherguei com CH, uma situação que muitos preferem, - com todo direito diga-se de passagem - enxerga-la com um X. Agora não crucifiquem a mim, nem a este grande cavalo, imenso em espirito, capacidade locomotora e fisico, se ele fracassar em alguma delas ou nelas todas daqui para a frente. Mauro, o que Justify fez até aqui, em suas 13 primeiras semanas de vida atlética, para mim já basta para classifica-lo de algo sobnatural.

Sei que é quase desumano se pedir a um atleta o que está sendo proposto a Justify. Mas isto é a triplice coroa norte-americana e este foi o tempo que Baffert contou, a seu dispor, para acerta-lo e coloca-lo em rota. Valeria a pena abrir mão do Belmont Stakes e testar Ax Man? Teria baffert e Justify a capacidade de cumpir mais este desafio?

Quanto o aspecto reprodutivo, separo muito bem estas coisas. Não tenho por Gun Runner, American Pharoah e California Chrome, para citar apenas três exemplos recentes de monstros em pista, o apreço que o mercado demonstra por eles. Mas aceito que eles foram grandes cavalos de corrida.  Apaixonei-me por Seattle Slew e nunca por Affirmed, mas em compensação achei que Easy Goer seria melhor reprodutor que Sunday Silence. Aliás eu e todo o mercado norte-americano. Vivemos de acertos e erros. Sobrevivemos quando estes acertos vem em maior número e importância que os êrros. Gostei também, destas duas frases... devo usá-las com maior frequência.

Para mim como analista e selecionador de cavalos de corrida, as vejo como coisas completamente distintas. Pois, distintas são as minhas funções de escrever sobre corridas de cavalo e selecionar cavalos de corrida. Outrossim, uma coisa tenho que deixar claro a quem lê meus textos e adquire a aqueles que seleciono: minha opinião.

No mais, foi muito bom ouvir de você e volte outras vezes. Nao mantenha seus emails presos apenas a sua imaginação. Faça como o Montenrgro: Ripa na Xulipa!

Atenciosmente
Renato

O QUE VEM POR AI: DAQUI A ALGUMAS HORAS NA EUROPA


NO JAPÃO


domingo, 20 de maio de 2018