HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

PEQUENO PAPO DE BOTEQUIM: O QUE VOCÊ ACHA DA CASTRAÇÃO

A simples mençao do verbo castrar, já me causa tremenda apreensão e arrepios. Outrossim, no turfe esta medida é muito utilisada. Felizmente, não muito no Brasil, mas é vista como tremendamente válida em países como Austrália. Diria que até em demasia.

Um animal inteiro é castrado, quando seu treinador acha que ele irá melhorar a sua performance, com a diminuição do nivel de testoterona. Alguns destes cavalos, são vitimas de seus maus temperamentos, outros de sua ansiedade e existem até aqueles que não se ligam no negócio e a saída encontrada pelo treinador é castrá-lo. Não sou treinador e muito menos veterinãrio, apenas acho que o ato de castrar é uma violentação, e de alguma forma uma tentativa de simplificar o processo de aumento de competitividade em um animal.

Existem outras formas, que o treinador pode resolver o problema. mas esta é, sem dúvida alguma, a mais rápida e diria que para muitos a mais eficaz.

A praticidade do turfista autsraliano me apavora. Se um cavalo não tem pedigree para ser reprodutor ou tem sua performance limitad, eles castram. E muitos destes cavalos, tenho aqui arquivados, tornaram.se elementos ganhadores de grupo. O que fazer com os mesmos ao final de sua campanha? Isto é coisa que temo a me perguntar,

Eu tenho um exemplo que funcionou em um cavalo que eu tinha interesse profissional. O primeiro treinador de Da Hoss, um cowboy do Arizona, castrou o filho de Gone West numa ganhadora de grupo 1, sem sequer dizer a seus proprietarios. Quando dsa Hoss, estreou, batendo o record mundial, se não me engano dos 1,200 metros, foi descoberto que ele havia sido castrado. A inês estava morta. As chances de faze-lo um reprodutor estavam perdidas para sempre. Era relaxar e gozar, pois, o estrupo era eminente.

Mas alega o cowboy, que antes do ato da castração, Da Hoss era um cavalo impossível de ser treinado. Isto, para ele, justificou a medida. Foi algo que ele achou tremendamente natural. Como os proprietarios eram aqueles do tipo que pagam as contas sem destrincha-las em seus minimos detalhes, a coisa passou a desapercebido.

Pois bem, Da Hoss ganhou duas Breeders Cup Mile e acabou no Kentucky Horse Park, para ser produto de visitação publica, como Forego, Cigar (este infertil) e tantos outros. Pelo menos não virou ração de cachorro.

Ao leitor que me perguntou o que eu achava da castração, respondo o que disse no inicio desta nota: a simples mençao do verbo castrar, já me causa tremenda apreensão e arrepios. Não sei porque os cavalos são castrados em demasia na Austrália. Não posso crer que todos tenham problemas de temperamento, ansiedade o falta de interesse. O número de ganhadores de grupo é por demais excessivo, para que eu possa achar que são todos problemas. Acredito, que é uma forma simples de um treinador tentar algo diferente, e quem paga é o pobre do animal.