HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

PAPO DE BOTEQUIM: A MUDANÇA DE UM PATAMAR

Eu não queria falar mais sobre este assunto, mas o presidente Mauricio Galliote, aquele que não consegue ganhar sequer o o campeonato que chama de Paulistinha, fracassou. Sua gestão é uma piada. Suas atitudes ridículas. Nem o dinheiro que tia Leila - a futura presidenta - jorrou, qual uma louca desvairada, foi suficiente para manter seus dois técnicos, que embora ultrapassados, eram ainda considerados medalhões e agora chegou a vez de seu diretor de futebol. Até então, que agia como um emissário divino.

O que o "Parmera" ganhou este ano?

Só não consigo ver diferença entre o "Parmera" e o direcionamento atual turfe carioca. A verdade absoluta é que falta vontade de pisar no acelerador. A mão direita precisa largar, de uma vez por todas, o freio de mão. A era é de agir qual o Flamengo. Não mais do conservadorismo ávaro e ultrapassado de gestões como a do "Parmera" e do Jockey Club Brasileiro. Não se utiliza um sistema monárquico na era da Internet.

Amanha volto para falar de Mondragon. E do que uma égua A.P. Indy pode contribuir. Da guinada de gestão que o até então conservador Figueira do Lago deu, para chegar onde está chegando e creio que permanecerá por muito tempo. Sem abandonar o tradicionalismo, partiu para a modernização de seus conceitos, partiu qual o Flamengo para conquistar novos horizontes. E pasmem, o conseguiu.

Se você ama o turfe, e imagina que um dia o nosso possa crescer, não abandone este texto. Veja os conceitos utilizados pelo Flamengo para se virar uma mesa, que parecia presa ao solo.

Caros amigos, o Flamengo de Jorge Jesus joga por controle remoto, como tudo não passasse de um video game. Estabeleceu uma tabela de consumo: para o Grêmio são cinco, para o Vasco quatro. Para o "Parmera" três. Você marca seu nome na cartela e espera a sua hora para ser decapitado. E qual seria saída? Grama sintética? Manutenção de torcida única em seu estádio?

Desculpem, mas não há convicção, no que está sendo feito.




E o que discutir? Não adianta proibir a maior torcida do Brasil, ensandecido pelos resultados atuais, de comparecer a um jogo. De não retransmitir a partida para Portugal. E mesmo assim, jogando em casa, levar um passeio, como levou. Mas o que os "parmerenses" poderiam esperar? São 19 pontos de diferença. Sabe o que isto representa? Outro patamar.

Alguem já notou que o Flamengo, em seu novo projeto acaba de ganhar, depois do estadual, os campeonatos nacionais do sub-17, do sub-20, o profissional da serie A, o continental e está de olho em um mundial? Estaria sua diretoria escorregando. na maionese?

Desculpem a insistência, mas se nossos hipódromos seguirem o exemplo do Flamengo, eu piamente acredito que dias melhores haveriam de acontecer. Basta se analisar a situação atual em que se encontra o clube carioca e o que ele era a menos de uma década atrás. O Flamengo chegou, de forma fulminante, em menos de uma década, aonde só esperava chegar em duas. Muita água rolou abaixo da ponte. Muito cheirinho se perdeu no ar. E muitos exemplos para nossas diretorias turfísticas estão ai para serem copiados. Resta saber se há interesse de nossa parte, em mudar de patamar, como o Flamengo fez? Posso estar errado, mas não sinto esta vontade.

O projeto rubro-negro teve seu inicio, quando empresários bem intencionados, que se conheceram nos estádios, chegaram a conclusão que o Flamengo só iria sair do buraco, quando um grupo se unisse, ganhando politicamente o clube e o reorganizando de baixo para cima. Limpando a sujeira que era uma constância e projetando algo muito maior pela frente: a troca de um patamar.

Logo a ação se inicia com a paixão sendo coordenada pela ação. Um grupo de bem resolvidos na vida e mais do que isto bem intencionados, que cessou com aquele processo de espera ad eternum, de um marasmo de achar que nada poderia acontecer. Este grupo de talentos, enfrentou o problema, derrubou a inércia do processo. e acreditou que outro patamar poderia ser atingido. Mesmo não havendo gasolina inicial para tirar o carro da garagem. Como? Veremos a seguir.

O passo inicial em 2012, tão logo a eleição veio a ser ganha, foi fazer uma auditória, coisa que sempre você deve fazer. Quanto temos a pagar? Quantos temos a receber? Conclusão? Que em 2013 haveria menos $140 milhões naquele que seria o primeiro ano de uma gestão de gente bem intencionada. O que em outras palavras, era mais do que um déficit. Era um buraco negro.

E agora? Só a paixão o leva adiante, pois, a premissa básica passa a ser sonhar com o impossível. E assim teve inicio o processo. Uma divida colossal e apenas um ativo resumido em 40 milhões de torcedores. Teria feito? O processo passaria a ser convencer a estes 40 milhões de consumidores, que se houvesse paciência e confiança, aquele produto até então fracassado, de gosto amargo, poderia se transformar em algo palatável.

Paciência e resiliência. O ano mágico haveria de chegar. Para muitos uma triste ilusão. para outros, quem sabe a redenção?


O que é preciso para se iniciar um processo de redenção financeira  seja num clube, seja em sua vida pessoal? Transparéncia, honestidade e venda de uma possível credibilidade. Chama-se os credores e explica-se a situação. $850 milhões de divida bruta. $750 milhões de divida líquida. E nós vamos pagar. Simples e direto. Papo sério.

Foi feito um escalonamento de ressarcimento, com negociações de dividas, sentando com o governo e credores. Todos os pagamentos seriam honrados e isto é o passo inicial para o crescimento da credibilidade. E o Flamengo pode então respirar e pouco a pouco, deixou de lado os aparelhos que o mantinham respirando mas num processo terminal. O primeiro passo foi abandonar o CTI.

A idéia passou a ser andar sempre para frente com passos que poderão ser vistos como pequenos, mas que o levarão a vencer as distâncias e tapas que por ventura possam se contrapor. O processo teve seu inicio com a venda da crença que a idéia é esta, estes são nossos objetivos e nós não vamos abrir mão deles. E a credibilidade dos credores e a paciência da nação rubro-negra, foram imprenssindiveis.

A correlação entre paixão e razão é por demais complexa, exige um pulso firme de não ceder as tentações, principalmente quando o fantasma da queda para uma segunda divisão avizinha-se de uma forma relevante. A crença que clube grande não cai, já levou muitos a cair... A tentação de curto prazo de eliminar o problema o impele ao erro. Nunca esquecer onde estamos mirando. A mudança de um patamar não é simples. É custosa, necessita de tempo e acima de tudo conceitos.

Passa a ser um questão cultural o controle de despesas: ganhar e gastar menos do que se ganha, sem uma possível queda de qualidade. A divida continuava, diminuindo a cada ano, mas a partir do segundo ano de gestão o superavit que se tornou uma constância nas finanças do clube.



E pasmem, parte deste processo de rendenção pode ser atribuído a licitação da garagem. Sim, o Flamengo tinha uma garagem imensa, na lagoa Rodrigo de Freitas, que servia a seus associados, muitos deles, ligados ao clube. pelo processo de estacionar e morar ou trabalhar perto. Qualquer semelhança com a sede do centro do Jockey Club Brasileiro, não é mera coincidência... E isto por uma taxa mínima mensal de manutenção de um titulo patrimonial. Pois bem privatizou-se a mesma e criou-se uma nova receita cuja importância não era apenas uma nova entrada de dinheiro e sim a amostragem aos credores, que fundos e sacrifícios estavam sendo feitos de forma que ele um dia viesse a receber o que lhe era devido e acordado.

A noção do sacrifício tem que ser amplificada de modo que o prêmio um dia possa ser dividido por todos  Ou todo mundo está junto, ou não haverá efetiva melhoria. Não adianta o pai ou a mãe se sacrificarem e os filhos esbanjarem. O mesmo acontece num clube, num negócio ou numa empresa.

Poderá ser visto pela ótica cultural como um exemplo de crença na possível mudança de patamar. A privatização das vagas na Gávea, apenas soaram como um pequeno exemplo, que o sacrifício. Até do presidente que tinha que pagar a partir dali por sua vaga. Isto não só gerava uma nova receita como evidenciava uma pequena parcela  de sacrifício, e o principio básico - antinacionalista - de não haver a mínima possibilidade de manutenção de regalias.

Reconhecer a situação precária em que se vive não é vergonha. Vergonha, é simplesmente ignora-la e continuar vivendo numa situação fictícia como se nada houvesse acontecido. Com as finanças controladas os primeiros passos passaram a ser dados.

A contratação do Guerrero se deu em um momento em que o Flamengo já podia dizer que havia estancado a sangria. Ele foi o pontapé inicial de um novo processo. Tudo passou a ser uma questão de custo e oportunidade. Com um faturamento $680 milhões, pagar uma divida que caiu de $750 milhões para $360 milhões poderia ser vista como uma questão lógica. Porém, a lógica do credito é dever e ter como pagar. Assim com os juros baixos, para que se eliminar a divida? Insano pensar ao contrário. Não seria mais prudente investir no time e dobrar ainda mais o faturamento?




Não seria no turfe, mais sensato se aumentar prêmios, de forma a criar um atrativo de crescimento de nosso quadro de proprietários, e consequentemente nosso números criatórios e programas com mais cavalos? Ou a solução seria a de se ter dinheiro no cofre enquanto a atividade definha em todos os seus setores?

Senhoras e senhores, os dividendos de um clube de futebol, são sua vitórias e seus títulos. E enquanto os adversários cujas torcidas dão em Kombis, gozavam que os únicos títulos que o Flamengo colecionava, eram os boletos a pagar, a coisa estruturou-se. Os pobres coitados não viram de onde veio o tiro... O Flamengo com a contratação de Guerreiro sinalizou que estava com a idéia precípua de atingir outro patamar. Não apenas de ser um campeão estadual, mas nacional, continental e quem sabe mundial.

Esta nova concepção passou a atrair não só novos investidores, a nível de sócios e patrocinadores, como também de atletas que sentiam a solidez do clube e dele passaram a achar que lhes servia. Um trouxe o outro. O boca a boca que seria jogar no Flamengo, trouxe de volta gente que estava muito bem obrigado no futebol europeu. e eles foram pinçados a dedo. Não houve a insana crença de se montar dois times, onde na verdade quem quer ter dois, acaba não tendo nem um. Era um time pontual, aquecido pela base de meninos.




O Flamengo não fez apenas um CT. Fez dois, os melhores do continente. Importou tecnologia e profissionais de alta competência. Investiu na base e voltou a luzir o lema que craque se faz em casa, Olhem o que esta base trouxe em termos de receita para o Flamengo, Paquetá, Vinicius Junior e tantos outros, vendidos por quantias astronômicas  Você quando quer mudar o patamar de sua vida, seu primeiro passo é investir em seus filhos. E os filhos do Flamengo são a sua base.

Quantas famílias se perpetuam no turfe?

No Flamengo um atleta fratura um membro ou um distende um músculo, volta a ativa em tempo recorde, tal é o avanço de sua estrutura profissional. Isto se chama credibilidade. Isto se chama consciência. Conseguidos pelo simples ato de não se gastar mais do que se ganha, e de se pagar aquilo que se deve e foi renegociado, religiosamente. Hoje até o Neymar brinca de vir jogar no Flamengo. O problema passa a ser em lugar de quem...