HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
JOLIE OLIMPICA BRAZILIAN CHAMPION 2YO - HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
NEPAL GAVEA´S CHAMPION 2YO - HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
Santa Maria DE ARARAS: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS ESTRELA NOVA

HARAS ESTRELA NOVA
Venha nos conhecer melhor no Instagram @haras.estrelanova.

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS FRONTEIRA

HARAS FRONTEIRA
HARAS Fronteira

HARAS CIFRA

HARAS CIFRA
HARAS CIFRA - HALSTON POR MARILIA LEMOS

HARAS IGUASSU

HARAS IGUASSU
HARAS IGUASSU A PROCURA DA VELOCIDADE CLÁSSICA - Foto de Karol Loureiro

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

PONTO CEGO. EXPRESSÃO DE PAISAGEM


Nunca fui a favor do jornalismo conclusivo. A função do jornalismo é informativo e deixar a que a conclusão seja feita por aqueles que leem. Não me considero burro. logo, não me agrada alguém achar que pode fazer a minha cabeça. Porém, não sou jornalista. Sou um analista. Logo, que teria todo o direito de ser conclusivo. Mas tento não ser. Pois, da mesmo forma que não gostaria que alguém achasse que poderia fazer a minha cabeça  não me sinto no direito de fazer a cabeça de quem quer que seja. Defendo teses, mas de maneira alguma as vendo como verdades absolutas. As erijo em função de percentuais de acerto. Quem quiser as siga. Quem não, que as rechace. E a pista decidirá quem está com a razão

Ai vem a pergunta que não pode calar, porque nossa mídia atual é conclusiva? A pergunta foi retórica, pois sabemos a resposta. A mamata acabou, então o Bolsonaro sobrou! Ou teria que sobrar. A Globo não é lixo, como muitos a acusam. Seu nível de apresentação é dos mais altos que já tive o ensejo de ver. Todavia, viveu de mamatas e maracutaias. Pegou pela frente um cara que não está afim de dar continuidade a mesma, e apelou. jogou baixo e vai perder tudo. Até a concessão.

No turfe brasileiro existem aqueles dirigentes que tentam vender a verdade absoluta, como se fossem os arautos da verdade. Verdadeiras virgens inatacáveis. E apelam, para se manter dando as ordens. Como não sou e nem tenho vontade de dirigir nada, nem mesmo o meu carro, apenas tento estudar o que acontece na criação, pois, criar, como o próprio nome pré enuncia, é colocar no mundo, algo distinto.

Outro dia apresentei aqui uma tentativa que está sendo encapada pelo Figueira do Lago, com uma recém égua trazida de volta a seu convívio, onde a escolha do reprodutor que a serviria, teve como ponto básico de escolha, a concentração da família 2-n no produto a ser concebido da união. A mesma alternativa, numa muito maior escala, está sendo desenvolvida pelo staff do H e R, cobrindo as filhas de Acteon Man com o reprodutor Momento de Alegria. Porque outros estabelecimentos de cria não adotam posições semelhantes, com algumas éguas de seu plantel, e com famílias outras igualmente consagradas?

Apresentei experiências que estão sendo levadas a efeito por criadores indianos, e que em muito estão aumentando o sucesso daqueles que assim o estão fazendo, em pista. O cruzamento de Multidimensional com éguas filhas de Razeen, foi apenas um exemplo. A poderosa Coolmore, que na verdade não precisa mexer muito, pois, a sopa atual tem para eles um sabor por demais agradável, investiu em mandar éguas filhas de Galileo e Sadler´s Wells para serem cobertas por Deep Impact no Japão. Porque fez isto? Pois eles tem a perfeita noção que Galileo não é para sempre, e quando se habita este patamar, a Juddmonte, a Godolphin e Aga Khan o podem o desalojar de lá, a qualquer momento.

Fica claro que existem diversas formas de se tentar melhorar o funcionamento genético daqueles que cria. Se você acumula, em seu rebanho, através de anos, num tipo de éguas, porque não procurar um reprodutor que as auxilie no futuro a médio prazo? Porque não pesquisar por este reprodutor, ao invés de aceitar o que lhe é oferecido e que nem sempre irá satisfazer a seus propósitos? Lei do menor esforço?

Temo que certos brasileiros além de querer levar vantagem em tudo, aderem a lei do menor esforço e como desculpa afirmam que para ele o turfe é um hobby. Se é, é só no Brasil. Ainda mais que mexe com vidas humanas. Com famílias, que dependem da atividade. Deveríamos ter mais atenção para este fato.


Há um dizer popular, mais antigo que vó Adelina, que é muito importante saber perder. Eu acho que aquele que aprende a saber perder, é porque perdeu muito. E eu não aceito esta submissão a derrota. Cada uma deveria criar dentro de si uma revolta imensa, a cada derrota. Analisar porque ela aconteceu. E tentar minimizar os erros, com os ensinamentos que aquela derrota lhe trouxe, para evitar uma subsequente derrota. 

E para falar a verdade vejo nosso turfe perder diariamente terreno e poucos são aqueles que se revoltam publicamente com o fato. A resignação gerada com a espiral do silêncio, credencia a inércia a se instalar no subconsciente de cada um.

Prefiro ter a reação de chutar o carro, como um Senna o fazia, quando perdia batendo na última volta, que a expressão de paisagem do Barrichelo, quando era obrigado a entregar uma prova para o Michael Schumacher.