HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
JOLIE OLIMPICA BRAZILIAN CHAMPION 2YO - HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
NEPAL GAVEA´S CHAMPION 2YO - HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
Santa Maria DE ARARAS: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS ESTRELA NOVA

HARAS ESTRELA NOVA
Venha nos conhecer melhor no Instagram @haras.estrelanova.

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS FRONTEIRA

HARAS FRONTEIRA
HARAS Fronteira

HARAS CIFRA

HARAS CIFRA
HARAS CIFRA - HALSTON POR MARILIA LEMOS

HARAS IGUASSU

HARAS IGUASSU
HARAS IGUASSU A PROCURA DA VELOCIDADE CLÁSSICA - Foto de Karol Loureiro

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

PITADA HISTÓRICA: INVENTÁRIO DAS POTRANCAS INGLESAS LICITADAS EM 1972 – PRAIA, CLORA, TEA TIME, MIZTY, COLANGE, NEVER SAY, CRAMONTANA e VIA LACTEA.




PRAIA, por Firestreak e Millibar, por Nimbus, por Honeyway, foi arrematada por Cr$ 42.500,00 (preço base), pelo Stud Gondarem, sendo que no haras o primeiro produto  registrado foi para o Fazenda Mondesir. Nas pistas apenas 1 atuação e 1 colocação. Pela Linha alta, descendia do Firestreak, pai do ganhador do Epsom Derby de 1974 Snow Knight, tinha como avô outro ganhador do Epson Derby (1949), Nimbus. Pedigree construído para as distâncias clássicas. Praia teve 9 produtos registrados, 7 fêmeas e 2 machos, os 5 primeiros pela ordem nos seguintes garanhões,  Zuido, Waldmeister, Pass The Word e Locris (2), os últimos foram Sahib, Barinez e Let´Run, nenhum filho com destaque, linha extinta. 


CLORA, por Hornbeam e Ellora, por Relic, foi arrematada por Cr$ 46.000,00 pelo Haras São Luiz. Nas pistas 2 vitórias em 4 saídas. Seu pai era da linha Hyperion, foi um milheiro estendido, sua mãe tinha como pai, Relic, já destacado em outros levantamentos. Levada para o haras Clora teve 10 produtos registrados, dos quais 7 fêmeas, sem nenhum destaque em pistas, pela ordem seus produtos tinham como pais, George Raft, Quipardo, Nermaus, Tom Poker, I Say, Nermaus, Redermaus, Big PoKer, Redermaus e Louco Gauco. Linha extinta. 


TEA TIME, por Mandamus e Snow Slipper, por Panaslipper, foi arrematada por Cr$ 28.500,00 pelo Haras Ipiranga. Sem campanha em pista e sem produção no haras. Produto de um milheiro que tinha como avô um stayer. 


MIZTY, por Great White Way e Marietta, por Epigram, foi arrematada por Cr$ 50.000,00 pelo Haras Morumbi. Sem campanha em pista e sem produção no haras. Seu avô Epigram um stayer era pai do lendário Adil.  


COLANGE, por Behistoun e Melange, por Vigo, foi arrematada por Cr$ 34.000,00 pelo Haras São Luiz. Ganhadora de 6 em 28 saídas. Seu pai Behistoum foi um stayer, sua mãe, era duplicada na égua Bulolo que viria a ser também a terceira mãe de Vigo, que serviu no Japão, sem destaque. No haras Colange teve apenas 1 produto macho pelo americando Saratoga Skiddy, criação de João Jabour, sem campanha. 


NEVER SAY, por Never Say Die e Palestra, por Palestine, foi arrematada por Cr$ 40.000,00 pelo Haras Expert. Ganhadora de 7 em 22 saidas. Linha do Nasrullah, seu pai Never Say Die, era o avô paterno do ótimo garanhão Rio Bravo, sua mãe era neta do milheiro Palestine, múltiplo ganhador clássico de criação e propriedade do HH Aga Khan. No haras Never Say gerou a 3 produtos, todos por Lunard, 2 machos e 1 fêmea, sem destaque em pistas. A fêmea Jaywalk com 5 produtos registrados, teve apenas 1 fêmea, por Midnight Tiger, Sea World, esta por sua vez, com 11 produtos registrados, foi produtora clássica, gerando Guardiola, por Choctaw Ridge, ganhador de grupo 2 e 3 em Cidade Jardim e do tradicional Turfe Gaúcho, no Cristal; de Irving, por Beyton, ganhador de grupo 1 em Cidade Jardim e de Mandjula, por Roi Normand, ganhadora de grupo 2 e 3,  na Gávea. Esse ramo está ativo com a Mandjula, que tem produtos registrados para o Rio 2 Irmãos e para o Haras Eternamente Rio.


CRAMONTANA, por Typhoon e Trasmontana, por Big Game, foi arrematada por Cr$ 45.000,00 pelo Haras São Luiz. Ganhadora de 5 em 21 saídas. Seu pai descendia do sprinter Honeyway e sua mãe tinha como avô materno Big Game, foi milheiro múltiplo ganhador clássico, com destaque para o Champagne Stakes. No haras teve sua vida reprodutiva para os interesses de João Jabour, com 8 filhos registrados, 5 machos e 3 fêmeas, nenhum se destacou em pistas, pela ordem de nascimentos seus produtos tiveram os seguintes pais:  Pioleto, Piduco, Pioleto, Agente e os 4 últimos Crown Bowler. Linha extinta.


VIA LACTEA, por Bleep-Bleep e Viota por Klairon, foi arrematada por Cr$ 37.000,00 para o Haras São Bento do Atibaia. Ganhadora de 1 em 4 saídas. Produto de um pai sprinter com um avô milheiro. Iniciou sua vida reprodutiva sob os interesses de Antonio Luiz Ferraz, com 7 produtos registrados, 3 machos e 4 fêmeas, sem destaques em pista, pela ordem de nascimentos seus produtos tiveram os seguintes pais: Breeders Dream, Falkland, Arlequino, Ingrato, Sporting Yankee, Falkland e Ventaneiro. Uma de suas filhas (Vila Velha, por Breeder´s Dream) teve manutenção à cargo do Haras Rosa do Sul. Não encontrei ramos ativos da Via Lactea. 


                

   Das 12 potrancas adquiridas em New Market, aquelas que se sobressaíram em pista, com exceção da stayer PARTY, foram justamente as que tinham estrutura genética em sprinters, que traziam na essência aquela regra básica do velho Aga Khan – “velocidade, velocidade e mais velocidade”. Essas inglesas, com exceção da La Malma, não tiveram vida fácil no haras por conta dos garanhões à elas ofertadas, na sua maioria de pouca valia. As linhas ainda ativas são provenientes da LA MALMA (próxima da extinção), da SWEET APPLE e NEVER SAY. Considerando que 1/3 dessas potrancas tiveram bom desempenho em pista e no Haras, podemos dizer que essas importâncias não foram ruins. É fato que se o processo fosse inverso, onde continuássemos trazendo mais éguas do que garanhões, muitos deles inexpressivos, poderíamos estar numa situação melhor. Seria possível reativar essas ações reforçando nosso banco genético? Talvez as taxas absurdas de importação dificulte; outrossim, alguma ação teria que ser feita, pois estamos vivendo de poucas linhas muitas delas advindas das ações feitas pelos criadores do passado. Até quando eles vão segurar o rojão?