HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

PAPO DE BOTEQUIM: A VELOCIDADE ATRAVÉS DA DISTÂNCIA

Fiquei feliz de ver um artigo que saiu ontem no Racing Post, referente a preocupação que os maiores profissionais do turfe australiano, estão tendo com a perda constante de stamina em seu meio de trabalho. O dominio da velocidade exercida pelo parelheiro da Oceania, onde ele se apresentar, é hoje incontestavel. Onde vão dominam, Passaram a ter cadeira cativa em Royal Ascot.  E o próximo passou, será indubitavelmente os EUA, Mas a que preço? 

Exceed and Excel, Fastnet Rocket e Redoute's Choice, possuem hoje credibilidade internacional. São reprodutores hoje respeitados na Europa, como se fossem cavalos lá nascidos. Mas falta-lhes ainda a meu ver, aquele capacidade de transmitir stamina. São os maiores profissionais daquele continente que acabaram de se reportar sobre o assunto. Não eu. Porém, é algo que a muitos anos venho defendendo. E como a grande maioria das coisas ditas, para muitos, entra por um ouvido e sai pelo outro. Vocês querem tomar conhecimento de uma verdade incontestável? Apenas a Europa e o Japão estão preocupados na transmissão staminica. A Argentina, abandonou-a e a Australia preferiu emergir no ritmo norte-americano, baseado em precocidade e velocidade, embora seja ainda lá que é disputada uma das mais importantes provas de fundo do mundo, a Melborne Cup.

Eu sei que o nome deste jodo sempre foi e sempre será velocidade. Mas um velocidade que se propague atravez da distância, pois, o meu ideal de cavalo de corrida, é um Secretariat, um Itajara, um Bal a Bali, um Clackson, que largam e riscam, e nos mesmos com parciais fortes, se mantém em disputa, vencendo, ou vendendo caro a derrota no final. Por isto me empolguei tanto com a apresentação de Huber. O sonho que ele possa a ser algo diferenciado como os citados anteriormente, me fascina.

Meu fascinio pelo  cavalo portador da velocidade atravez da distância é incomensurável. Impossível de ser medido, improvavel de ser alcançado. Mas não impossível de ser conseguido. Não vi, algo tão contundente como Secretariat, Seattle Slew e Spectacular Bid, aqui nos Estados Unidos. Eles dominavam e nunca pareciam abalados pela concorrência. Ignorava-os Os tratava como seres inferiores. E tudo por serem possuidores de uma velocidade que se mantinha constante através da distância,

Cape Cross, um sprinter-flyer que chegou a milha mais por competencia do que propriamente aptidão, hoje é capaz de produzir cavalos staminados, dotados de extrena velocidade. Vem se firmando como peça importante em Epson. Ele é apenas um exemplo, de muitos outros existentes. Diria que Clackson, é o melhor exemplo entre os nacionais. Mas haveria por parte do mercado, esta preocupação?

Em um estudo levado a efeito na Australia, provou-se que eles são hoje capazes de captar a tendência de um reprodutor em produzir velocidade, stamina, ou velocidade através da distância. Seria este método de geneticistas, infalivel? Creio que não, porém é algo que tem um fundo crivel de ser possivel de se chegar próximo a infabilidade.

Recebi duas comunicações de gente que lera o artigo. Numa delas o Claudio Pragana diz tratar-se de uma contastação que havia já por mim, sido fartamente comentada. E perguntou se eu tinha uma bola de cristal? Outro, o Luis Eduardo Campos, que perguntava por que só agora lia em outro lugar que não no Ninho do Albatroz esta preocupação, que deveria ser, segundo ele, a primeira do mercado? E eu dira a ambos, que embora exista um punhado de gente preocupada com o assunto, existe também um montão de outra que nem pensou no assunto. São detalhes de um mercado que cada vez mais dá um valor maior a velocidade e a precocidade.

Eu também dou valor a estes dois predicados, mas realmente me apaixono pelo cavalo que pode chegar a distância, e para mim distância são de 2,000 metros para cima. O teto, os 2,400 metros. Não mais do qie isto, embora veja hoje a Melborne Cup com mais bons olhos que a Ascot Gold Cup.

Em nosso turfe tenho como alvo, o cavalo que possa ganhar o Derby e o Brasil. Respeito ao grande milheiro e aplaudo, o sprinter e o flyer. Mas sou ainda do tempo que a milha e meia - os 2,400m - era a distância, pois, ela não premeia, na maioria dos casos, o sopeiro. Ela tende a premiar aquele cavalo com stamina, que tenha um minimo de velocidade e de vez em quando com sorte aparece um Bal a Bali, um itajara que me impressionam até meu último fio de cabelo.

E um artigo que deve ser lido e mais do que isto seguido, por quem acredita que dá velocidade através da distância, mais fácil se tornará a transmissão de classe na criação mundial.