HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

PAPO DE BOTEQUIM: PEQUENOS DETALHES


Assisti a três apresentações de Aida, que diga-se de passagem, esta ópera e nunca esteve, na minha lista de óperas favoritas. A primeira foi no teatro Colon na Argentina com Martina Arroyo e Carlo Bengozi.  Eu era pouco mis que um guri e avido por embrenhar-me no mundo da ópera. A segunda no Scala de Milão com Pavarotti e Maria Chiara e a terceira vez no Metropolitan de Nova York.  com Domingos e Apprile Millo. Mas confesso a vocês que só na primeira vez, o fiz com o intuito de ver a peça. Vista achei que nunca mais viria a assitir outra apresentação de Aida. Com exceção da parada do segundo ato, nada me comoveu. 

Mas voltei. E explico o porque? Nas duas vezes seguintes, foram outros fatores que me induziram a comparecer, tais como conhecer o Scala, ver Pavarotti, Domingo e assitir a parada que é majestosa e que requer do coreografo certa inventiva.  Com certeza o ponto alto desta obra de Verdi. Imagino o que deva ter sido, esta parada, quando esta ópera foi apresentada pela primeira vezno final dos anos 1800.

Isto em outras palavras quer dizer que você as vezes opta por um reprodutor, não tanto por que ele possa representar, mas sim pelo resumo da ópera, no contexto de um produto que dele descende. Exemplos? Estrela Monarchos. Quem em sã consciêmncia levanta seu traseiro para ir em um barn na colina de Keeneland, para examinar uma Monarchos em mãe Fusaichi Pegasus?  Mas sabem por que fui, porque ela estava na milha lista. E por que raios, estaria em minha lista? Por dois motivos: primeiro a presença de três ganhadores do derby de Kentucky nas posições de pai, avô materno e pai de segunda mãe. E de quebra, a terceira mãe era filha de um ganhador do Travers Stakes. Era por demais interessante para deixar, simplesmente passar desapercebido. Achei que não havia o que perder. E segundo, por ela ser uma decendente direta de Best in Show, por intermédiod de seu melhor ramo, o instituído por sua filha Sex Appeal, a mãe de El Gran Senor e Try My Best. 

A não corrida Sex Appeal, terceira mãe de Estrela Monarchos, como sua mãe, é uma égua base, daquelas poucas que cognomino de matriarcas. Para mim, ela tem mais pedigree que sua mãe, pois, além de ser uma filha de Buckpasser, tinha uma duplicação em La Troienne que a diferenciava. E creio que possa ser o diferencial que apresentou no breeding-shed.

Buckpasser, embora não tenha ganho o Kentucky Derby como os três já citados, responsáveis pela estrutura principal do pedigree de Estrela Monarchos, foi em minha opinião um dos melhores cavalos de sua geração, que contava com Kauai King e Graustark e enfrentou no ano seguinte aos mais novos Damascus e Dr. Fager. E de quebra ganhou o Travers, uma prova que reputo mais consistente que o próprio Kentucky derby.



Logo, marquei de inspecionar Estrela Monarchos mesmo ela sendo uma filha de Monarchos em mãe Fusaichi Pegasus. Ai, quando a vi, cheguei a conclusão que ela podia ser a filha do Lula com a Dilma Roussef, que não tinha jeito de dar ruim. Liguei para o Aluizio, que não estava propenço a nada comprar e lhe pedi que o fizesse.

Não existe uma regra fisica para se gostar de um pedigree. Não existe aquela de você ficar preso a aquela tribo ou determinada familia. Para mim, tem que ser um somatório de valores que fazem sua atenção recair neste ou naquele pedigree. Não sei se me faço entender. Porém, se não me faço, esta é a única maneira sensata de eu tentar explicar o sentimento, que o sensibiliza a optar por um produto.

Hoje Estrela Monarchos está na reprodução. Acaba de ter desmamado seu primeiro produto e se encontra cheia. Só foi coberta, a primeira vez, mais de um ano depois de ter participado de sua última carreira. Uma iniciativa que todo criador consciênte deveria a ter em relação a qualquer égua que tenha sido excessivamente exigida em pista, e principalmente com aquelas que corresponderam positivamente a esta exigência. Mas este é um outro problema. Apenas aviso aos navegantes deste blog, que sãoestes pequenos detalhes, os capazes de lhe trazer o sucesso ansiado.