HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

terça-feira, 4 de abril de 2017

PAPO DE BOTEQUIM: NÃO CULPEM O PASSADO

Dizem os entendidos da alma humana, que somos escravos de nosso passado. Eu discordo, pois, acredito que o passado seja apenas um depositario de experiências anteriores. Ele é o parâmetro de suas novas experiências, mas não são de forma alguma seu presente. Você é o único rsponsável por seu presente. 

A gente se torna um ser diferente com o passar dos anos. Chama-se maturidade. Querem um exemplo? No meu tempo de juventude a gente namorava. Hoje os jovens simplesmente ficam. Sinistro era algo temido. Hoje admirado. E até o Bangu chegou a ser campeão carioca.

Logo, qualquer comparação entre cavalos de corrida originarios de eras distintas, é para mim, mera pura ficção. Quem seria melhor Farewell ou Much Better? Adil ou Itajara? Ribot ou Frankel? Sea-Bird ou Arrogate?

Cada um terá uma sentença e isto não mudará em nada o que se pense e da forma como se age, no turfe moderno. Quem está certo? Ninguém. Quem está errado? Muito menos alguém.

Como agente de compra de cavalos de corrida, tento descobrir a azeitona da empada, antes dela ser empanada e colocada na vitrine. Pois a partir dai, não tenho potencial econômico para consegui-la. É dificil, mas não impossível. Por isto temos ainda no Brasil, uma profusão de descendentes de Lady Be Good e Rough Shod II.

Um cavalo que sempre me chamou a atenção, foi Unbridled's Song. Ele bateu a Hennesy em um Breeders Cup Juvenile e muito dele era esperado em sua campanha de 3 anos. Porém, problemas variados, que foram de fisicos a extra-pista, impossibilitaram dele ser aquilo que hoje um filho seu, chamado Arrogate, é. Um diferenciado.

Pouca gente sabe, que uma irmã materna de Unbridled's Song esteve aqui no Brasil, importada para mim, para o haras Pemale. Teve vida curtra e se perdeu na fumaça, como a grande maioria se perde, por total falta de conhecimento de como explorar tesouros genéticos.

Unbridled's Song vinha produzindo uma profusão de cavalos dotados de classe, mas não tanto em termos de consistência fisica. Na hota H, desmontavam. Hoje é um consagrado avô materno, mas na verdade, estava custando alcançar um nivel compativel aos grandes nomes como A. P. Indy e outros de indiscutivel transmissibilidade clássica, como reprodutor.

Sempre achei que deveríamos trazer um Unbridled's Song, com suas caracteristicas bem próprias. Stamina, pelagem tordilha e biotipo de cavalo de fundo. Infelizmente isto não foi nunca alcançado. Toda vez que oferecia um, exatamente com mestas caracteristicas, sentia um total apatia por parte dos investidores, principalmente os eurofilos, como os chamo.

Como poucos são os Unbridled's Song pertencentes aos dois coglomerados que parecem escravizar as importações brasileiras, a Coolmore e a Darley, nada pode ser feito neste sentido, até o presente momento.

Logo, não temos direito de culpar a genética. A nossa se não é de primeira linha, é por única e exclusiva culpa nossa, que dirigimos nossos investimentos em direções pouco convicentes.


POR FAVOR, NÃO CULPEM O PASSADO, 
POR NÃO ESTARMOS OBTENDO NO PRESENTE
AQUILO QUE ACHAVAMOS QUE PODIAMOS OBTER

Se optamos por linhas mortas em detrimento daquelas que estão em maior evidência, a culpa é de nossas ações presente. O passado mostra apenas que isto nunca deu certo.