HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

sexta-feira, 19 de maio de 2017

PAPO DE BOTEQUIM: A NECESSIDADE DA TROCA DE IDºEAIS

Recebo todo e qualquer tipo de pergunta, o que na verdade enrriquece a mim, pois, sou obrigado a pensar se a idéia for a de responder. E respondo, a grande maioria delas, sabedor, que certamente meus argumentos não convencerão a aquele que trouxe a dúvida. Mas esta sendo a sua verdade, e penso que isto é que é em minha opinião, o que interessa a si. Afinal ninguém consegue estar de bem com os outros, se não estiver de bem com si próprio. 

Acho a coisa mais importante em uma sociedade humana é o diálogo. Ele o faz pensar e crescer como ser vivente. E isto é fácil de se notar. Precisa ser um gênio como o Chico Anysio ou o Jô Soares para manter um publico sentado e atento por duas horas, num monólogo. Para mim um dos livros mais difieis de ser escrito, foi o de Ernest Hemingway, o Velho e o Mar, onde nenhum diálogo é levado a efeito, e sim é descrita uma batalha entre um velho pescador e um bravo marlin. E finalmente como no filme Hell in the Pacific, com Lee Marvin e Toshiro Mifune, onde dois militares norte.americano e japonês, perdidos numa ilha do Pacifico, encontram a barreira do idioma para entabularem um diálogo.

No turfe brasileiro, não existe muito interlocução técnica e você tem que se valer das informações de fora para tentar evoluir naquilo a que se propoe. Você, no Brasil, vive uma situação quase que de prisioneiro  encarcerado em uma solitária. Eu mesmo fundei um blog, onde dei espaço a quem quizesse se aventurar em suas teses e poucos foram aqueles que se arvoraram a defende-la. Inibição? Desconhecimento? Medo da exposição? Falta de teses? Confesso que não sei, mas gostaria que não fosse assim.



Não valeria a pena uma mudança de posicionamento? Eu penso que sim.

Como disse em outra oportunidade, é mais dificil defender as suas teses no mercado norte-americano, pois, existe uma forte presença do marketing na imprensa. Falou mal, perde patrocinio e a porta de saida, passa a ser serventia da casa. Na Europa, existem medalhões que estão acima do bem e do mal, que são ouvidos. Mas mesmo assim, eles procuram se ater mais no lado positivo que no negativo. E aqui entre nós é mais fácil se falar de Galileo, e suas grandes façanhas, do que aquele grande cavalo em pista, todavia, que fracassou no breeding-shed.

Nos somos vitimas de um processo por nós mesmo criado. Apagamos nossa história e parece que temos vergonha de idolatrar nossos idolos, sejam eles humanos ou equinos.