HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
JOLIE OLIMPICA BRAZILIAN CHAMPION 2YO - HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
NEPAL GAVEA´S CHAMPION 2YO - HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
Santa Maria DE ARARAS: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS ESTRELA NOVA

HARAS ESTRELA NOVA
Venha nos conhecer melhor no Instagram @haras.estrelanova.

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS FRONTEIRA

HARAS FRONTEIRA
HARAS Fronteira

HARAS CIFRA

HARAS CIFRA
HARAS CIFRA - HALSTON POR MARILIA LEMOS

HARAS IGUASSU

HARAS IGUASSU
HARAS IGUASSU A PROCURA DA VELOCIDADE CLÁSSICA - Foto de Karol Loureiro

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

segunda-feira, 20 de julho de 2020

OPINIÃO DO MARCELO AUGUSTO

Foi noticiado aqui no blog o retorno para o Brasil do craque Arrocha e fiquei pensando como nos faz falta projetos ousados semelhantes àquele feito pelo Aluísio (Stud H & R) com os seus Acteon Man/Momento de Alegria. Imagine trazer para Bagé os ganhadores do GP Brasil  - Dídimo e o Top Hat para criar uma base e projeto com o Arrocha. 
Dídimo descendente da South Ocean e o Top Hat um Royal Academy/Nijinsky que possibilitaria aquele nick consagrado (Blushing Groon X Nijinsky). Tudo isso seria possível se conseguíssemos refazer um Posto de Fomento similar àquele criado nos anos 60 pelo Jockey Clube de São Paulo, em Jaguariúna, na região de Campinas, por onde passaram diversos garanhões importantes, como por exemplo, Coaraze, Zenabre, Henri Le Balafré, Executioner e Romarin, todos produtores de derbies winners, aliás foi o Romarin o último grande cavalo brasileiro a passar por aquele Posto de Fomento que foi vendido em julho do ano 2000 com o objetivo principal de quitação de prêmios atrasados (vejam há quanto tempo vivemos nessa agonia absurda). 

Nos próximos dias o Renato publicará por aqui uma transcrição que fiz de uma matéria publicada no caderno de turismo do Jornal “O Estado de São Paulo” de julho de 1965, dando conta da importância para a criação nacional do Posto de Fomento do Jockey Clube de São Paulo e sua magnitude, atraindo inclusive a atenção da Rainha Elizabeth II que fez questão de conhecê-lo em sua passagem pelo Brasil nos anos 60. 

Não tenho dúvida que a região propícia a receber um novo Posto de Fomento seria Bagé, onde teríamos os leilões anuais dos potros e diversos eventos que poderiam atrair novos investidores. Precisamos de grandes projetos que abraçam toda a criação nacional, vamos mudar a trajetória, a história nos mostra que estamos em direção contrária, o que foi o Posto de Fomento do Jockey Clube de São Paulo e seu destino é prova que estamos errando há muito tempo.