HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
JOLIE OLIMPICA BRAZILIAN CHAMPION 2YO - HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
NEPAL GAVEA´S CHAMPION 2YO - HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
Santa Maria DE ARARAS: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS ESTRELA NOVA

HARAS ESTRELA NOVA
Venha nos conhecer melhor no Instagram @haras.estrelanova.

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS FRONTEIRA

HARAS FRONTEIRA
HARAS Fronteira

HARAS CIFRA

HARAS CIFRA
HARAS CIFRA - HALSTON POR MARILIA LEMOS

HARAS IGUASSU

HARAS IGUASSU
HARAS IGUASSU A PROCURA DA VELOCIDADE CLÁSSICA - Foto de Karol Loureiro

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

terça-feira, 11 de agosto de 2020

AS GANHADORAS DO DIANA CARIOCA: - 1975 a 1977

Que tal direcionarmos nossa atenção para o aproveitamento de nossas Oaks winners no breeding-shed

Iniciaremos a nossa pesquisa, tendo como data base o anos de 1975, ano em que Ruban Bleu se tornou Oaks winner.  No ano seguinte foi a vez de Ginger.  Mas que na verdade, ambas, pouco ou quase contribuíram para a continuidade de transmissão da classe que possuíam ter. Monstros sagrados, mas que apenas geraram monstros plebeus.


6º mãe importada da Inglaterra

RUBAN BLEU (Fort Napoleon) - 1975



6º mãe importada da Irlanda

GINGER (Flamboyant dês Fresnay) - 1976

.....Pascaline (Earldom) - Gr.1

Mantendo a mesma linha de raciocínio, que acredita que possa estar criando monstros sagrados, vamos falar de uma linha materna, genuinamente brasileira, que a meu parecer, parece não perder a sua indiscutível  capacidade de transmitir classe as gerações subsequentes.

Ela a meu ver teve seu inicio consolidado na Oaks winner Draw Back, uma égua genuinamente nacional, com um pai brasileiro, Quiz, filho de pais igualmente brasileiros, Eviva Violon e Kings Fancy e com uma linha de mãe, avô e bisavó, igualmentemente brasileiras.

Pois bem a partir de sua filha, a Group 2 winner Donnegale, a inserção da genética formada afora de nossas fronteiras se fez presente, com mensageiros que reputo de primeira classe, detacando-se Royal Academy, Wild Event e Roy. Apenas Un Etandart e De Quest, poderiam fugir a esta regra, mas a transmissão era tão forte que eles se viram impedidos de seccionar a tendência. E há de se notar que os Group 1 winners nacionais, Clackson e Ay Caramba, também tiveram a sua participação de colaboração na manutenção desta transmissão de classicismo. Como pode ser visto no diagrama que se segue.

Pinneaple Pie, é uma ganhadora de grupo com sete mães nacionais. Logo porque duvidar da capacidade de um elemento nacional instaurar sua própria linha?





DRAW BACK - 1977
.....Donnegale (Campero) - Gr.2
..........Cagney (Roy) - Gr.1
..........Malmedy (Un Etandart) - Gr.2
..........Maravilhosa (Royal Academy)
...............Butler (Dubai Dust) - Gr.3
...........New Zuca (Royal Academy)
...............Englightened (Wild Event) - Gr.2
..........Nineties (Clackson) - Gr.2
..........Uff-Uff (De Quest)
...............Fluke (Wild Event) - Gr.1
...............Hunka Hunka (Wild Event) - Gr.1
...............I Scream (Ay Caramba) - Gr.1
....................Pinneaple Pie (Wild Event) - Gr.3