HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
JOLIE OLIMPICA BRAZILIAN CHAMPION 2YO - HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
NEPAL GAVEA´S CHAMPION 2YO - HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
Santa Maria DE ARARAS: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS ESTRELA NOVA

HARAS ESTRELA NOVA
Venha nos conhecer melhor no Instagram @haras.estrelanova.

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS FRONTEIRA

HARAS FRONTEIRA
HARAS Fronteira

HARAS CIFRA

HARAS CIFRA
HARAS CIFRA - HALSTON POR MARILIA LEMOS

HARAS IGUASSU

HARAS IGUASSU
HARAS IGUASSU A PROCURA DA VELOCIDADE CLÁSSICA - Foto de Karol Loureiro

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

terça-feira, 10 de novembro de 2020

PAPO DE BOTEQUIM: ENOUGH IS ENOUGH !

Em algum momento de sua vida, você poderá vir a precisar de um médico, de um sacerdote, de um advogado, de um assessor em finanças e até de um agricultor. Pois, eles são parte de sua existência. Mas dificilmente de um artista da Globo ou mesmo de um cavalo de corrida. 

Outrossim, nestes dois últimos itens, há de se convir, que existem fans. Tanto das novelas quanto das corridas de cavalos. Gosto para tudo.

Dias atrás mencionei a audácia de se levar um cavalo brasileiro para a Argentina e simplesmente oferecer 100 de suas éguas. Pois é, isto para mim representa a coragem de quem não tem medo de cair na primeira bala, sabedor que algo de bom haverá atrás de sua arremetida. Talvez o ganho de uma guerra e quem sabe o reconhecimento com uma medalha. O mundo não se lembra daqueles que ficaram escondidos dentro da trincheira e creio que este domingo, outra ousadia foi para mim provada no outro hemisfério.

Este domingo, Bradley Wayne Hughes um senhor que irá fazer 88 anos, depois de sua vitória com o Derby winner Authentic na Breeders Cup Classic, foi em Fasig-Tipton e deitou e rolou. Levou 12 lotes, num montante de mais de 25 milhões de dólares. O que para um senhor que em Março foi avaliado em mais de 2,3 bilhões de dólares, não deve fazer muita diferença. Principalmente nesta fase de sua vida. Ao contrário as alegrias de Beholder, Authentic e Into Mischief  lhe trouxeram recentemente, não tem preço. E porque não tem? Porque são vitorias contundentes aos difíceis desafios por ele assumidos. O que sua ação acarretará? Uma imposição norte-americana, dentro do mercado, hoje a mercê da Coolmore e da Darley.

Abro um parênteses. Ninguém vale o que o senhor Hughes vale, e pode ser considerado um imbecil. Imbecil era o povo brasileiro que acreditava no PT. No resto do mundo, uns preferem gastar seu dinheiro derrubanhdo democracias como o senhor George Sorus e outros como Bradley Wayne Hughes que preferem sentir as sensações que apenas os cavalos de corrida podem lhe trazer e com isto garante o emprego de muitos. O mesmo pode ser dito pelo posicionamento assumido pelo senhor Julio Bozano na Argentina. Fecho parênteses.



Volto décadas atrás. Quando meu pai tomou conhecimento que eu havia largado a consultoria em transportes, me perguntou o que fazia e no memento que respondi, imediatamente perguntou atônito. Mas quem precisa de um cavalo de corrida? Respondi, o que lhe responderia hoje décadas depois de sua morte: na verdade ninguém.

Logo ter um cavalo de corrida é um sentimento que cada um tem, e acima de tudo um desafio para quem pode, não apenas para quem quer. Não há como explicar. Da mesma forma que não se explica porque existem pessoas que escutam opiniões politicas de artistas da Globo e as seguem em redes sociais. Nos que votaram numa anta com cordas vocais. Só os falecidos, votam maciçamente em Biden...

Vejam o que aconteceu na disputa mais recente da Breeders Cup. No meio de uma pandemia e sem publico. Cercada pelas incertezas de uma eleição norte-americana a presidência, onde ate os já mortos e sepultados, parecem ter tido importante presença em seu resultado final, foi disputada. Para mim, como no Arco, o sucesso foi absoluto. Vieram da Europa os cavalos que deveriam ter vindo? Talvez nem todos. Mas mesmo assim a Europa reinou nas provas onde normalmente brilham. Logo, houve lógica nos resultados  Confiram os números das vendas de Fasig-Tipron. E os primeiros números de Keeneland. O mercado está firme, com gente adquirindo cavalos de todos os cantos do mundo. Isto sendo uma atividade, onde na verdade poucos precisam de um cavalo de corrida, apenas prova uma coisa: fé!


Cada um pode sentir o que quiser. A recente vice presidente eleita nos Estados Unidos, Kamala Harris, para fins eleitoreiros se intitula negra, como descendentes de indianos assim o fossem. A Manuela, - a versão tupiniquim da Kamala nos Brasil - trocou sua vestimenta e passou a ser recatada, escondendo até suas tatuagens, porque quer se eleger, e vai acabar se elegendo perfeita do Rio Grande do Sul, um dos estados mais politizados de nossa nação. Porque? Já vi isto acontecer com Lula que passou da metalurgia rebelde a versão do Lulinha paz e amor. Mas creio que aqueles que amam o turfe e nele se mantém, mesmo o Brasil não apresentando as mínimas condições de sobrevivência, devem ser reverenciados.

Temos que no mínimo respeitar a aqueles que acreditam no turfe. Principalmente no Brasil, repito, onde o retorno do investimento é praticamente nenhum. O turfe não é um hobby. Há muito deixou de ser. É uma atividade como outra qualquer que gera divisas e empregos e graças a Deus existem abnegados que ainda criam cavalos de corrida e outros que os compram e os mantém. E contrariamente somos, elevados a uma posição de riquinhos que nada tem o que fazer com seu dinheiro e visto pelo governo como uma industria falida, onde taxas abusivas de importação são decretadas sem o mínimo critério.

Precisamos nos impor, como o mercado norte-americano se impôs. Creio que Cidade Jardim e Gávea deram passos decisivos. O turfe aqui é uma indústria que gera lucros, a quem dela participar.  Mantém famílias e dá empregos a gente que não tem outra qualificação profissional. Independentemente de sua idade ou condição financeira, há lugar para todos. Outrossim, quando poderemos contar com outros como Seabras, Paula Machados, Peixoto de Castros, Laras, Machilines, von Leitner, Almeida Prados, Vidigal, Fragoso Pires e outros que fizeram nosso turfe um dia brilhar?

Hughes, simplesmente deu o seu Enough is Enough!

Desbancou Sheikh Mohammed e a Coolmore, no ponto em que são mais fortes. No rink.  Voltou a impetrar a politica do aqui eles ou elas não saem, Politica esta que décadas atrás, fez os Estados Unidos se erguer na industria de cavalos de corrida. Provou que neste pais há também espaço para o empreendedor nesta área, mesmo tendo fraudadas as eleições presidenciais as vésperas das vendas. Considero este senhor tão importante como Tesio, Boussac, Lord Derby, Aga Khan, Prince Khallid, os grupos Coolmore e Darley, E. P. Taylor, Paul Mellon e Ogden Phipps.

Ele representa a virtude da crença. O nosso presidente da ABCPCC guardadas as devidas proporções, diminuiu em muito o êxodo de nossas matrizes para o Uruguay. Criando impostos que dificultavam a aquisição das mesmas por criadores locais.  É também uma forma de fechar a torneira.



Não é necessário ser um gênio para sentir que éguas importantes devem ficar onde se tornaram importantes. Pois,  possivelmente virão a gerar filhos igualmente importantes.