HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

PONTO CEGO: FALTA FILHO E ESPOSA NA CRIAÇÃO BRASILEIRA

A gente quando gosta de ver o nascer do sol, - confesso que sou um deles - tem que chegar antes, esperar com paciência e então curtir o momento. Que dura muito pouco, mas vale cada segundo dispendido. E neste espaço entre a espera e curtição, os pensamentos afloram em sua mente. Os mais variados possíveis. Eles na verdade são a base dos comentários que faço no Ponto Cego. E esta manhã um veio a minha mente.

Os defensores da não transmissão linear das tribos, ficarão radiantes com o que pensei. Afinal, no turfe brasileiro, pode-se contar nos dedos de uma mão, - até do Lula - os haras que conseguem permanecer vivos por três gerações. Mondesir , São José e Expedictus e Fronteira chegaram a três gerações. Vocês se lembram de outros? Por que isto acontece? Eu acho que a culpa são dos próprios criadores.

o atual HH. Aga Khan, é hoje produto de três gerações. Ele não é um aborto da natureza. ele é a prova que as coisas podem ter uma duração maior no turfe. Vão-se as pessoas, ficam os legados.

Vejam o caso de Bernardinho, o nosso capitão olimpico em 2016, e que foi medalha de prata em 2012 e 2008. Seu pai. Bernardo Resende foi jogador Olimpico, e aquela com que está casado Vera Mossa o foi também, logo Bernardinho viveu num mundo cuja atmosfera reinante era o volleyball. Aquilo o impregnou de qualquer forma, que ele acabou sendo um jogador de volleyball, provavelmente influênciado peo ambiente de seu lar.

Estariam os criadores de cavalos no Brasil e suas respectivas esposas, influênciando seus filhos na atividade? Ou existe uma ação egoísta, aquela que afasta a familia? No nosso mercado, penso que não existem muitos casais que participem intensamente no desenvolvimento de um haras. E menos ainda com filhos que igualmente se interessem. Isto desgasta a atividade que para muitas familias é vista como um verdadeiro inimigo. Que incita ciúmes devido os números abusivos de gastos e tempo dispendido. 

O Japão está se transformando na potencia turfistica que é atualmente, pois, a participação da mulher cresceu bastante de 20 anos para cá. Dentro e fora dos hipódromos. A longevilidade de um estabelecimento de cria, está consubstanciada no desenvolvimento levado a efeito por uma familia. Poucos são aqueles montados como negócios. A grande maioria é parte de uma iniciativa pessoal.

Acho que uma reforma em nosso turfe, tem que começar de dentro para fora. Nossos haras tem que ter, maior participação familiar, não apenas como a maioria hoje, de apenas um membro da familia. Sei que isto é utópico, mas eu admiro o Bernardo Resende, viver o atleta que foi e ver seu filho seguir o mesmo caminho. E ainda mais dirigido por ele.

Vou a Gávea e Cidade Jardim, e vejo que a faixa etária dos frequentadores, está cada dia mais avançada. Muitos dos presentes podem ser até confundidos com os móveis. Não há quase renovação. Publico jovem só em um o outro evento, assim mesmo atraídos pela festa. Poucos, para não se dizer nenhum, se sencibiliza em voltar. A coisa não prospera. E não se constrói um turfe sólido e de longo prazo nestas condições. Acho que o grande problema não é a Internet ou as outras formas de entertredimentos. Temos sim, que motivar, os filhos e as esposas, para que a atividade não pereça.

O sol nasceu e eu voltei a realidade, perguntando a mim mesmo, porque pensei nisto? E cheguei a uma conclusão. Esta é a única forma dela ter uma continuidade.