HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

PAPO DE BOTEQUIM: IGNORÂNCIA NÃO É BURRICE

Gosto de deixar as coisas claras, logo, para mim quem está no turfe, como criador ou proprietario, burro não é. Mas não posso dizer a mesma coisa em relação ao conhecimento da história e dos meandros que fazem da criação de cavalos de corrida uma ciência. Repito, você pode ser ignorante numa atividade, mas isto não o faz uma pessoa burra. Lula, é o exemplo maior do que acabo de afirmar. Burro ele não é. Apenas ignorante.

Poucos, são aqueles - se é que existem - que tem a clarividência de ver a big picture, como Einstein. Mas diria que no turfe, você não precisa ser um Einstein, para ver do que ele é feito e em que alicerces se sustenta.

Este blog, não quer ensinar nada a ninguém. Ele tem como intuito trazer minha memória do que vi, aprendi e exercitei. Assim sendo, se trata apenas de minha experiência. Nada mais do que isto. De maneira alguma penso estar dono da verdade. E lê quem quer, e acredita se quizer. 

Muita gente não conhece a base dos pedigrees, e muito menos o que possam ser, os pontos de força. Eu creio que um pedigree tenha elementos que exercem suas dominâncias. Cabe a você distingui-as e reforça-las. Mas há de se convir, que estes pontos de força podem estar na terceira ou quarta gerações, logo, dependem de mensageiros, e as vezes estes não conseguem levar para a geração seguinte, a grandeza de seus pais. E outros - os piores - simplesmente cortam a linha de transmissão. São aqueles que plageio a nave mãe, com o termo eletricista.

Temos uma tendência grande em trazer para o Brasil, mensageiros duvidosos e alguns até comprovadamente eletricistas, achando que como aqui é terra de rei, quem tem um olho é rei. Não é bem assim. Trazemos muitas vezes por questões financeiros aquilo que não deviamos, contudo, houve oportunidades de se investir dinheiro e trouxemos cavalos que já eram fracassos consumados, tais como Sinndar, Sagamix e Miesques Son.  Não foram baratos. Em sendo assim, me sinto no direito de dizer que não é apenas uma situação financeira. E vou mais longe, espero que tenha sido apenas de desconhecimento.

Muitos de nossos criadores não tem tempo para pesquisar e entram num barco furado que os atrazara anos para desenvolver a sua raça. Não é burrice, nem ignorância. Talvez seja excesso de confiança.