HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

PAPO DE BOTEQUIM: O LAGO DOS CISNES


Outro dia, um antigo cliente me chamou por telefone, disse que a melhor peça teatral que assitiu em sua longa vida, foi Quem tem medo de Virginia Wolfe? E que ele, como meu amigo de longa data, depois de velho - segundo ele - vivia uma outra peça, apenas que real. E ela se chamava Que tem medo de Renato Gameiro?  E fundamentava sua observação, com o medo que causa a muitos, o que escrevo em meu blog. E ele era repreendido por nossa amizade. 

Ri bastante com seu comentário, embora não exista o menor fundamento no mesmo. Você tem que temer Galileo, tanto o cavalo quando o cientista, porque é quase impossível bate-los em condições normais. Não a mim, cujo indice de conquistas em provas que realmente valem a pena, tem sido de 25%. Existem outros 75% a serem explorados. Se este. sera dividido por 65 outras pessoas, a culpa não é, evidentemente minha.

Existe um febre atual pairando sobre o céu turfístico brasileiro: o Grande Premio Carlos Pellegrini.  Eu acho bárbaro, mas não digo ser tudo. O Pellegrini já foi uma carreira dificil de ser ganha pelo cavalo brasileiro. Hoje não mas o é. E isto não é resultado de nossa melhora e sim da piora do cavalo argentino em provas de distância acima dos 2,000 metros. A criação argentina partiu para o conceito norte-americano: precocidade, velocidade e distâncias até os 2,000metros. Estariam eles errados? Acredito que não. O haras La Quebrada de meu inesquecível amigo Henan Ceriani Cernadas, imbui o espirito dos argentinos nesta direção. E o sucesso do cavalo argentino nos Estados Unidos foi incontestável. Paseana, Bayakoa, Festin e tantos outros. O problema foram os governos peronistas que assumiram posteriormente e que sobre taxaram a exportação do cavalo de corrida.

Alguém pode lembrar que desde o tempo de Horacio Luro que o cavalo argentino, teve sua importância relevada a um patamar especial no turfe norte-americano. Mas em provas de distância e principalmente na grama. Esta mudança na estrutura genética do cavalo argentino, permitiu que ele passasse a ganhar as provas que os norte-americanos acreditavam ser até então, de competência só suas. Da milha aos 2,000m e no dirt.

O turfe é grande pelo simples fato de conseguir durante séculos adaptar-se a estas metamorfoses. O processo evolutivo da atividade assim o exige, como exige dos profissionais que dele participam. Quem não se adaptar, não conseguira com o tempo se manter nos winners circles, da vida. Não podemos nos manter em ascenção se ficarmos como um casal de cisnes relegados a um pequeno lago.

A América do Sul é um pequeno lago. Não adianta se sentir um cisne num lago limitado a você e a alguns como você. Ganhar o Pellegrini ou ganhar o Brasil, hoje não faz uma grande diferença. E o grande lago de cisnes que consegue ser respeitado é apenas o de Tchaikowsky. Ganhar uma Breeders Cup ou um Santa Anita Handicap, sim. E as dificuldades não são muito distintas. Então porque aqueles que acreditam que possam ganhar o Pellegrini, não partam para vôos maiores? Porque não se abandonar o lago?

Já esta provado que o cavalo brasileiro pode ganhar provas importantes fora de suas fronteiras continentais. Muitos os fizeram e nem todos eram lideres. Porque não sair a cata de conquistas nestas provas? Medo? Não existe medo, se houver conhecimento do que se está fazendo. Não existe medo se houver um projeto urdido por gente que sabe o que está fazendo.

Não quero vir aqui e cada vez mais mostrar os defeitos de nosso sistema. Mas eles são muitos e criam oportunidades a cada momento. Quem gostar de desgraça que vá a Cidade Jardim e se lembre como aquele hipódromo já foi importante. Que vá a Campinas e na área em que um dia foi construído o posto de Monta do Jockey Club de São Paulo, pense que o termino doaquele posto foi o inicio de queda de uma criação de cavalos de corrida que já foi a força máxima de nossa atividade. Volto a repetir, não quero me ater a enterros ou a fraturas expostas, mas enquanto nos preocuparmos a nos limitar a ganhar o Pellegrini e abandonar aquelas carreiras norte-americanas que um dia ganhamos, não vejo muita saída para o nosso caso. Se não tivermos rapidinho uma resposta de um mercado internacional - seja ele qual for - que produza um interesse em nosso produto interno, o mercado interno vai sucumbir e não será o proprietário argentino que virá aqui, comprar nossos potros.

Meu velho amigo, me confidenciou que existe um temor sobre quando ao invéz de se discutir resultados e estatísticas, venho com artigos conceituais aqui neste blog. Calos se sentem pisados. Orgulhos feridos. Faço mais inimigos do que seguidores.  Paciência. E respondo sem medo de estar desagradando aos menos suceptiveis a criticas, que sem conceitos, não existem projetos. E sem projetos as chances de se chegar onde se quer chegar e lá permanecer se tornam ínfimas. E para quem não gosta destes meus artigos, aconcelho a mudar de canal.