HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

PAPO DE BOTEQUIM: HOMENS QUE FIZERAM A DIFERENÇA.

Moramos em um pais estranho. Sempre o foi, antes mesmo do PT. Porém, depois que o Brasil foi assumido pelo PT, se tornou um país, ainda mais indeciso, entre o que possa ser imoral e ilegal. São duas situações distintas mas que no caso do Brasil do PT, se confundem, pois, muito que é imoral, nem sempre é ilegal. Mas em tratando de governos corruptos, invariavelmente elas se unem. E até as almas mais puras do pais, pecam.

O caso de Neymar, é simbolico. Ele poderá ter dois anos de prisão e três anos de inabilitação de exercer a sua profissão. Lembro que a Espanha não é o Brasil, o que em outras palavras, não vai haver  aquele nosso jeitinho. O Forum especial! Pode tranquilamente ter acordo, mas alguém irá pagar. Lembro que na época a proposta do Real Madrid foi substancialmente superior ao do Barcelona, e o jogador brasileiro disse ter optado pela oferta menor, para cumprir um sonho. Jogar ao lado do Messi. Pelo o que está sendo noticiado, não era apenas o sonho que fez Neymar optar pelo Barcelona. Um substancial "por fora",  - eu complementaria que bastante substancial - é que foi talvez a verdadeira razão da opção. Se é que este "por fora", tenha acontecido, como os espanhois estão alegando.

Tudo é para mim uma questão de conceito. Em cima deste você escolhe um alvo e criar um projeto, cuja sua equipe há de cumprir. Mas nem sempre este conceito é entendido, da forma de que deveria ser.

No inicio dos anos 70 li numa reportagem feita com Bull Hancock, o homem forte na época da Claiborne Farm, que mais importante que os cavalos que fizeram de sua fazenda, durante um longo periodo, a mais conceituada do planeta, foram os criadores que com ele criaram. Eles trouxeram as grandes éguas e ajudaram a Bull Hancock a fazer seus grandes investimentos em reprodutores.  Tdos seus pensionistas.

Ninguém tira o merito deste grande criador, - para mim, um dos mais importantes da história - em conseguir ter feito nos Estados Unidos, aquela que considero ser, o turning point de seu mercado à nivel mundial. Ele foi o cara, como Tesio o foi para a Italia, Lord Derby para Inglaterra, Marcel Boussac para a França e Edward Taylor para o Canada. Homens que fizeram a diferença. O turfe girou em torno de si. Não ao contrário.

Mas voltando aos trilhos, Arthur "Bull" Hancock era primeiramente um selecionador de gente e depois de cavalos. E aqueles que tinham um reprodutor pronto a adentrar ao mercado, preferiam que mesmo por menor oferta, era um bom negócio ter a sua mercadoria exposta na vitrine da Claibirne Farm. Nada de imoral e muito menos ilegal. No Brasil, aquele que comanda, muita vezes sabe do negócio, mas não tem a capacidade em reconhecer gente que possa toca-lo com maestria.

Mas será que no caso de Neymar, a situação é a mesma? Existe um aroma de clandestinidade nesta transação. Eu tenho como principio, que mais vale o que lhe agrada do que o que lhe trás mais retorno financeiro. Mas isto é uma opção pessoal. Por isto larguei um bom emprego em uma firma que fazia assessoria ao metro carioca e me embrenhei no turfe, assumindo uma profissão que nem no Brasil era levada a sério. Como não é até hoje. A  dos agentes. Nos primórdios de nossa  inicial ascendêcia turfistica, eram coroneis ingleses, a grande maioria ligada a BBC, que ditavam o que era bom para nós. E consequentemente o que era bom para nós, coincidentemente era péssimo para a Europa, para os Estados Unidos, para a India, e até para a Africa do Sul. Enfim, era a raspa do tacho, um termo muito usado por vó Adelina. Tinhamos que bancar, por dependência e desconhecimento, engolidores de ar, não suadores, loucos de pedra, ganhadores em distâncias e pistas inadimissiveis, os de pedigrees já ultrapassados, enfim, outros defeitinhos, que para muito brasileiros daquela época, em nada afetavam a performance de um cavalo de corrida no breeding-shed. Afinal, já desde aquela época, eramos o pais em que alguém teria que ganhar.

Ai um reprodutor despontava em nossa criação e imediatamente a BBA bramia, te-lo trazido. Esquecendo-se que eramos - e sempre fomos - a terra do alguém tem que ganhar. E que outros 49 por eles trazidos, nunca disseram ao que vieram, Nem sempre na realidade dos fatos, será o melhor, que irá ganhar. Pode ser o menos pior. E esta anomalia era vista no descrédito ao garanhão nacional, que por não render comissões a estes agentes britânicos, eram ridicularizdos. E um novo bonde era trazido. E qual foi o resultado desta politica? Deixo para meus leitores, a conclusão. Não estariamos repetindo a mesma história com esta questão de shuttles

O dominio neste período continental, foi da Argentina! 

Nossos hermanos, vinham aqui, em nas principais festas e faziam barba, cabelo e bigode. Ficaram ganhando o que queriam e nós apenas em uma oportunidade, na proximidade do inicio dos anos 60, fomos capazes de ir lá e darmos o troco. Para se ter uma ideia a que estou me referindo, basta-se notar que de 1949 a 1959, todos os vencedores do GP. Brasil, ou vieram da Argentina ou do Uruguai. Ai tivemos aquela geração impar, onde ganhados com Narvik e Farwell, e na decada de 60, dos 10 ganhadores desta prova, cinco eram cavalos criados fora de nossas fronteiras.

Pessoas fazem a diferença, pois, são elas, que decidem pelos cavalos. São elas que treinam. São elas que montam, São elas que cuidam no dia a dia. Quando o cavalo certo cai nas mãos certas, o milagre da supremacia, brota.  E este é um dos segredos: equipe.

Quem é mais importante? O criador, o proprietario, o agente, o treinador, o jóquei ou a equipe de manutenção do mesmo no barn? Eu dira que o pleno funcionamento de todos, criam as opções ideais para que um atleta possa exercer 100% de seu potencial. O talento, passa a ser na verdade, sua única responsabilidade. Uma grande equipe náo faz um grande cavalo. Mas um cavalo se torna grande, graças a uma boa equipe. Salvo, poucas exceções. E quando isto acontece, imediatamente me vem a mente, como seria a vida deste cavalo se servido por uma equipe de primeira linha?

O conceito de "Bull" Hancock, era simples. Ele precisava de alguém que acreditasse na ideia. E conseguiu. Foi o turning point do turfe norteamericano. Porque não fazemos o mesmo no Brasil?