HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

PONTO CEGO: ONDE NOS ENCAIXAMOS?




Não importa que você esteja vivendo no New Mexico ou mesmo em Illinois, o amor que a gente de Kentucky tem por aquilo que ele considera seu, é o que importa. Isto não é bairrismo.  Isto é torcer por algo. No Brasil, existe flamenguista do Oiapoque ao Chui- E grande parte deles, não são cariocas.

Sei que moramos num pais sui-generis, onde um condenado por assaltar dois carros de segurança de valores, resolveu tentar, esta semana, passar no concurso da Policia Militar. Não seria como colocar um lobo para cuidar das ovelhas? E nós brasileiros, ainda somos chegados a um bairrísmo, principalmente no concernente a Rio de Janeiro e São Paulo. Diria que mais na ordem inversa.

Acho isto de uma pobreza monumental. Coisa, de gente que ainda usa fraldas ou que conseguiu um lugar ao sol, sem saber porque. Nosso turfe, deve ser encarado como uma coisa só. A pedra única é um dos meus anseios. Uma só triplice coroa, outro. Quando Baby Victory micou em minha mão, escolhi Cidade Jardim, pois, naquela época era aquele hipódromo que apresentava o mais importante programa para os dois anos. Hoje, certamente optaria pela Gávea, já que ainda sou daqueles que acho que prêmios devem ser pagos.

Um dos mais importantes haras hoje de São Paulo, o Figueira do Lago, tem toda a sua produção disputando carreiras na Gávea, divididos entre dois treinadores da serra carioca. Seus responsáveis, criam seus potros em São Paulo, trabalham e residem por lá. E talvez haja uma época em que eles se sintam impelidos a mudar de idéia, e quem sabe voltar a Cidade Jardim? Vó Adelina dizia que bairrismo era coisa de pobre. Como ela sempre foi pobre, deveria saber o que estava dizendo.

Hoje a nova administração norte-americana, está igualmente atacada pelo nacionalismo, naquele sistema que Lula e dona Dilma conheciam e difundiam tão bem, o do nós contra eles. Donald Trump, acha que pode evitar os atentados contra os Estados Unidos, se utilizando de um sistema altamente nacionalista de proibições de entradas no território e muros. Não acredito que vá funcionar, mas tem gente que sim, pelo menos 44% dos norte-americanos que nele votaram.

Na França a direita está crescendo de uma forma significativa. Não sou de esquerda nem de direita, acho que os dois lados tem suas qualidades e defeitos. Outrossim, tem regimes que mais se assemelham a certos países que a outros. Na Inglaterra existe a sua saída anunciada do mercado comum europeu. Haverá a Europa e a Inglaterra. Vão transformar a velha Albion, possivelmente num continente. Como a Oceania.

Mas mesmo com todas estas frações espalhadas pelo mundo, não irá em minha opinião fazer do turfe uma coisa nacionalista. Na Europa, proprietarios do mundo inteiro correm seus cavalos. São de origem árabe, indiana, japoneses, europeus, norte-americanos, sul africanos, australianos e até sul-americanos. Hoje embora existam várias vitrines de apresentação de seu produto, a Europa ainda é a maior de todas. A mais importante. Aquela que congrega a classe mundial.

Todavia, ela carece de algo que Estados Unidos e Australia esbanjam ter: velocidade. Nas carreiras para sprinters, os australianos parecem dominar o mercado internacional. Na meia distância, apenas que no dirt, os norte-americanos dominam. E aos europeus apresentam uma supremacia em provas de grama, acima da milha. E aonde nos excaixamos como mercado exportador?

Esta é a equação que temos que resolver, se quizermos crescer neste mercado não apenas como coadjuvantes. Precisamos ter foco e acima de tudo sabermos exatamente a trilha que deveremos traçar. Evidentemente se houver interesse de nossa parte.