HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

domingo, 19 de março de 2017

PAPO DE BOTEQUIM: A MELHOR UTILIZAÇÃO NA GENÉTICA BRASILEIRA

A argentina Vali Dori, confirmou o que dela era esperado. Venceu e convenceu no Santa Margarita Invitational Stakes (Gr.1). E aquele que assim entende, ve um pedigree capitaneado, por um cavalo nacional - Argentina - dois imbreeds, um em Northern Dancer e outro em Buckpasser, além de três linhas de Busanda. Exatamente o que estamos cansados em repetir, na defesa daquilo que acredito ser, a grande saida para o cavalo brasileiro

A utilização de um cavalo genuinamente nacional, que tenha provado além fronteiras sua superioridade locomotora, acoplado a imbreedings e duplicações em matriarcas, é benéfica, Funciona a primeiro nivel de turfe mundial.

O Santa Margarita é uma carreira que podemos ganhar. Aliá, Riboletta o fez justamente na virada do século. Outrossim, hºa de se notar que Vale Dori, é a sexta vitoriosa desta prova a ter nascido na argentina. As outrs vencedoras foram Bayakoa (1989 e 1990), Paseana (1992 e 1994) e Toda Una Dama (1998). Tres destas quatro heroínas argentinas eram filhas de reprodutores nacionais, de campanha forte nas pistas.

Não seria este desapego ao reprodutor nacional que nos faça a estar levando este chocolate, da vizinha Argentina? Creio que pode ser um dos fatores, dos muitos que deverão haver.

Sou um descrente do nacionalismo. Todos que o esaram, não tiveram um bom fim: Hitlrt, Mussuline, Franco, Salazar e demais congeneres. Espero que o Lula seja o próximo. Logo quando defendo o bom corredor brasileiro, o faço tendo em vita apenas o aspecto técnico. Olhem por exemplo o percentual de ganhadores de grupo de Fluke e Holly nRoman Emperor. Não dá para se comparar. E quem recebeu a melhor qualidade de éguas para cobrir? Arrisco a afirmar, sem estar cometendo uma heresia, que o representante irlandes. Então o que estamos esperando? A vinda de outro Ghadeer?

Ghadeer foi um milagre caido dos ceus. Um cavalo ganhador de um pouco reconhecido grupo 3 na Italia, e com colocações em prova de grupo nesta mesma Italia e na Alemanha. Logo, um elemento que deve ter passado a desapercebido de muitos e por aquelas razões, que a própria razão desconhece, caiu como uma luva dentro do plantel do Mondesir.

Arrisco a afirmar que a possível triplice coroada No Regrets, tem mais chance de firmar-se nos Estados Unidos, do que a unica filha de Ghadeer - a triplice coroada Indian Chris - que lá brilhou, e assim mesmo em um grupo 3 de Golden Gate, na época do Eden, para o cavalo nacional.

Não quero desmerecer ninguém. Indian Chris corria para burro! No Regrets também. O que aqui está sendo discutido é a constatar a pouca chance dada ao garanhão nacional, embora ele esteje provndo a cada ano, que pode ter sucesso. O nacional Clackson, com muito menores chances que Ghadeer, foi um reprodutor de mesmo nivel. Porque não deveriamos tentar outro, no momento que trazer hoje para o Brasil, algo de peso, encontre situações financeiras adversas?

Volto a repetir, não sou nacionalista, mas antevejo que esta pode ser uma boa saida, se quisermos manter o nivel de nossa criação. Estou em meio a uma inspeção da geração 2015, em minha segunda visita, Na primeira você escolhe um tanto de cavalos, e na segunda modifica a sua escolha; entram uns e saem outros. Este ano, particularmente, tive a mais significativa mudança em minha primeira lista, o que prova que você deve ficar de olho, pois, cavalos se modificam com o crescimento. Só que você tem que examina-los duas vezes, para se dar conta desta mudança. E uma terceira, já as vesperas do leilão para confirmar a sua escolha. E vocês sabem porque estas modificações acontecem? Nossa genética não é conclusiva e até que não houve nenhuma fixação de nossa raça.

Não queo dar uma de pitoniza, mas os três primeiros produtos de uma lista de 8 que adquiri ano passado ganharam ai no Brasil. Não me lembro de outras listas minha e de colegas de trabalho que tenham apresentado este mesmo percentual de acerto, 100%, Muita coisa se modifica com o desenrrolar do ano, e aquele depositário de sua fé, as vezes desaparece no espaço. Mas a satisfação de ter um potro seu vitorioso aos dois anos na Gávea, é um privilégio de poucos, embora seja um desejo de muitos.

Vali Dori, prova mais um vez que a politica adotada pelo criador argentino, está funcionando nos Estados Unidos. Para isto ele teve que conviver com uma queda staminica, que faz o Brasil ter alguma chance lá nas provas de fundo por lá. Nos sulamericanos trabalhamos no sistema de colcha curta. Se a gente cobre aqui, vai descobrir alguma parte de seu corpo.