HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL

HARAS SANTA RITA DA SERRA - BRASIL
HARAS SANTA RITA DA SERRA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS REGINA

HARAS REGINA
HARAS REGINA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO

HARAS FIGUEIRA DO LAGO
HARAS FIGUEIRA DO LAGO - São Miguel, São Paulo

STUD H & R

STUD H & R
STUD H & R - TOQUE NA FOTO PARA VER UM UM GP. BRASIL QUE VAI FICAR NA HISTÓRIA

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS

HARAS SANTA MARIA DE ARARAS
AEROSOL, MESMO DEVOLVIDO PROVOU SER CRAQUE: TOQUE NA FOTOGRAFIA E VENHA CONHECER O BERÇO DE CAMPEÕES

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO

HARAS SANTA TEREZA DO BOM RETIRO
ONDE A VELOCIDADE IMPERA - CLIQUE NA FOTO PARA CONHECER NOSSO PROJETO

HARAS NIJU

HARAS NIJU
toque na foto para conhecer nosso projeto

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA

HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA
HARAS SANTA LUZIA DA ÁGUA BRANCA: VENCEDORES INTERNACIONAIS EM TRÊS CONTINENTES

albatroz bloodstock agency, Inc.

albatroz bloodstock agency, Inc.
albatrozusa@yahoo.com

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

PONTO CEGO: O BOLSONARO VEM AI

Senhores, perguntar não é crime, e sonhar nunca foi pecado. Logo, o choro é livre. 

E, para alegria de muito e tristeza de poucos, o Bolsonaro vem ai. 

Mudanças são o que todos querem, menos os retrógrados petistas que viviam das mamatas e da corrupção. Dinheiro na cueca, malas de dinheiro, apartamentos alugados para armazenar dinheiro sujo, sítios e triplex sem donos aparentes, o crime organizado correndo solto, recorde de desempregados, recorde de mortes por violência, vento sendo encanado, dentifrício trazido de volta ao tubo, um toma lá da cá de um congresso corrupto, a Petrobras jorrando propinas a torto e a direita, um STF dando indultos a criminosos de colarinho branco,. enfim, esperamos que este tempo tenha passado. Para isto o povo foi as ruas e um bebado ladrão, foi posto atrás das grades.

Chegou a hora de fazermos o mesmo com nosso turfe. Primeiro acabando com a inadimplência, nas compras e nos pagamentos de tratos, dentro e fora dos hipódromos. Segundo tentando minimizar ao máximo as taxas de importação e exportação. Terceiro criando uma ordem na comercialização de potros em uma ou duas datas no máximo, com uma queda substancial em custos. Quarto acertando as exigências veterinárias exigidas por Europa e Estados Unidos. Quinto criando um programa para atrair novos turistas por intermédio das diversas midias. E que cada um ponha a cabeça a pensar e adicione mais necessidades como estas acima expostas.

Resumindo, algo tem que ser feito. Vejo haras como o Figueira do Lago com um número bastante importante de corredores na Gávea, com a insana tentativa - de mesmo com uma inferioridade numérica -  de fazer frente a hegemonia do Santa Maria de Araras, cuja contribuição para com nosso turfe é também de grande valia. O Santa Rita da Serra, o Anderson, o Doce Vale, o Nacional, o São José da Serra, o do Morro, o Regina, o Mondesir, o Fronteira, os que criam no Bagé do Sul e Niju, o H e R e tantos outros, que poderiam ser aqui citados, são a razão hoje da manutenção de um nível competitivo no hipódromo da Gávea. Mas até quando eles se virão obrigados a arcar com todo este peso?

E alguns, dos citados são patrocinadores de nosso blog, do Jornal do turfe e do Raia Leve. São uns abnegados. Conseguem manter alguma dignidade pelo menos no hipódromo da Gávea,

Imaginem que num período inferior a dez anos, perdemos o São José e Expedctus, o Santa Ana do Rio Grande, o Stud Alvarenga, o Estrela Energia e mais recentemente o Capitão, simplesmente terminaram com suas operações. E a Gávea sobreviveu a esta situação.

Em São Paulo. outros também o fazem ou o fizeram - em menor escala - pois, os problemas por que passa aquele hipódromo, fizeram muita gente migrar, tanto para a Gávea, como para Palermo e Maronas. Quem perdeu com isto? Não só Cidade Jardim, como o turfe brasileiro como um todo. Um vitória eloquente em terras argentinas abre portas no mercado norte-americano. Em Maronas? Tenho lá minha desconfiança, pois, depois de Invasor, pouco ou nada pode de alguma forma, elevar o turfe uruguaio a um patamar mais alto.

Maronas, para ganhar dinheiro e ter seu custo sobre controle me parece uma solução altamente viável. Mas para projetar nossa. criação a nível internacional, acho que a Argentina seria a única a prover no mínimo um status igual do que a Gávea ou mesmo Cidade Jardim.

Estamos em crise e o pior é que tem muita gente que apenas pensa ser Cidade Jardim que tem problemas. O esforço de Tarumã e Cristal para se soerguer é grande. E a da Gávea se manter, insólita. Logo, a crise tomopus o todo de nossa atividade, apenas com escalas diferentes de insolubilidades.

Falo, falo e não tenho soluções. Tenho idéias, e a meu favor proclamo que nunca me candidatei a absolutamente nada e nem fui convidado a exercer nenhum cargo. Portanto, não sou a pessoa obrigada a tentar resolver os problemas. Como critico, apresentou op que me aflige e como disse idéias que podem dar um rumo as nossas necessidades. Serve de alguma coisa? Talvez sim, talvez não. Mas pior do que criticar e não apresentar projetos, é achar que tudo está as mil maravilhas e nada deve ser feito para melhorar.